Governo e Federação enviam pedido de liberação para CBF

A expectativa de conseguir a liberação do estádio Arena da Floresta para os jogos deste de semana da série C e D do Campeonato Brasileiro de Futebol ainda é cogitado pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Esportes, e da Federação de Futebol do Acre.

Por esse motivo é que as duas entidades enviaram para o diretor técnico da CBF, Virgílio Elísio, nota do Ministério Público do Acre, alegando que seria responsabilidade da entidade máxima do futebol no Brasil, “define onde os jogos deverão ocorrer”.

O secretário de Esportes, Mauro de Deus, não descartou que vem tentando o TAC (Termo de Ajuste de Conduta) com o Ministério Público para realizar as mudanças necessárias. “Nunca deixamos de responder qualquer solicitação do Ministério Público e o que estamos tentando fazer é proporcionar o direito do torcedor de assistir aos jogos de nossos representantes”, disse.

Conduto, mesmo que o estádio Arena da Floresta não seja liberado para o público, os dois jogos do final de semana estão mantidos, porém com os portões fechados. O prejuízo será o de bilheteria, no entanto caso tivesse que se deslocar para outro centro, o prejuízo seria ainda maior. No caso, os dois adversários das equipes acreanas, o Cuiabá/MT, no sábado contra o Plácido, e o Luverdense/MT, contra o Rio Branco, jogariam em um “campo neutro”, sem a força das torcidas.

Nota de Esclarecimento
Cumpre ao Ministério Público do Estado do Acre, por sua Promotora de Justiça de Defesa do Consumidor, Alessandra Garcia Marques, esclarecer à sociedade que a escolha das praças de jogos nas quais ocorrerá o Campeonato Brasileiro são de exclusiva responsabilidade da CBF, e que ao Ministério Público, cumprindo rigorosamente o Estatuto do Torcedor, cabe apenas certificar à CBF quanto as condições de segurança e sanitária dos Estádios nos quais pretende realizar partidas, em absoluto respeito ao que está previsto no Estatuto do Torcedor. Assim, não é o Ministério Público que define onde os jogos deverão ocorrer.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation