Eficiência em aeroportos pode melhorar 30% com otimização da infra-estrutura

O Brasil tem condições de melhorar em 30% a eficiência de seus aeroportos, apenas com otimizações de infra-estrutura. A afirmação foi feita ontem (29), pelo ministro da Secretaria Especial de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, durante o balanço da 2ª edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Segundo ele, até o fim do ano o check in dos vôos passará a ser compartilhado pelas companhias aéreas.

Em sua apresentação, Bittencourt apresentou uma lista de melhorias operacionais da aviação civil que visam a melhorar o aproveitamento da atual infra-estrutura. Entre elas, citou a reestruturação da Infraero e do Centro de Gerenciamento Aeroportuário (CGA), responsável fluxo de informações no processamento de passageiros e bens.

Ele comentou que um acordo de serviços entre empresas aéreas e a Infraero vai regular a relação com as companhias aéreas e permitir fiscalização e trabalho de gestão mais eficazes sobre o desempenho das companhias.

Dentro da reestruturação da Infraero, o ministro reiterou alguns pontos sobre o novo modelo de governança da estatal. “Um novo conselho de administração será criado e terá a função de estipular metas e acompanhar resultados, além de coordenar a reestruturação da empresa.

Criaremos também a diretoria de empreendimento para dar apoio especializado à gestão de obras de engenharia.”

Sobre as concessões de aeroportos já previstas, lembrou que 49% do capital da concessionária será da estatal. “As empresas serão obrigadas a atender com capacidade e qualidade e não haverá aumento de tarifas aeroportuárias”, garantiu.

Segundo ele, as operadoras terão de fazer todos os investimentos necessários para ampliar a capacidade do aeroporto, a fim de atender às demandas internas e, também, às que surgirão com os eventos esportivos previstos. (Agência Brasil)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation