Fifa se exime de culpa por R$ 30 mi gastos em sorteio e teme protestos

Em encontro informal com a imprensa brasileira, o secretário geral da Fifa, Jeróme Valcke, comentou a notícia da última quarta (27) de que movimentos sociais organizam um protesto.

O ato deverá ocorrer paralelamente ao sorteio das Eliminatórias, pra criticar as remoções forçadas e a falta de transparência nas obras para a Copa do Mundo de 2014. O dirigente mostrou preocupação que qualquer manifestação atrapalhe a festa do próximo sábado. “Espero que os protestos, se acontecerem, não atrapalhem o sorteio. Vamos ter que fazer um sorteio com várias equipes e espero que isso não interfira”.

Valcke eximiu a Fifa de culpa pelo gasto da prefeitura e do governo do RJ de R$ 30 milhões para a realização do sorteio. Segundo o dirigente, a entidade fez apenas requisições para que o evento acontecesse, mas a escolha de bancar o projeto foi do poder público carioca. “Foi o Rio de Janeiro que decidiu receber as Olimpíadas e a Copa. Isso transforma o Rio.

Também foi decisão da cidade acolher o sorteio preliminar… Nós, na Fifa, não pedimos ao governo ou a prefeitura para gastar esse dinheiro para o evento. Eles dediciram isso. Se uma instituição qualquer – pública ou privada – decidir pagar por isso. Essa escolha é deles”.

De acordo com entrevista concedida na última terça por Joana Havelange, diretora-executiva do Comitê Organizador Local (COL), o dinheiro gasto era necessário para atender todas as requisições feitas pela Fifa. O COL nomeou a empresa GEO, que tem ligação com a Rede Globo, para organizar o evento. A GEO, por consequência, foi atrás dos patrocínios da Prefeitura e do Governo do Rio, que financiaram o alto custo do evento.

A estrutura na Marina da Glória foi inaugurada na última terça para os jornalistas, mas receberá um grande público apenas no sábado, quando acontece o sorteio, que deverá ter duração de cerca de duas horas. (Jornal do Brasil)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation