Profir encerra ciclo de formaturas com cerca de 2,5 mil professores graduados

No último fim de semana (23 e 24),  a cidade de Cruzeiro do Sul sediou a última formatura do Programa Especial de Formação de Professores para Educação Básica I Zona Rural (Profir), fruto de uma parceria da Universidade Federal do Acre (Ufac) com o governo do Estado e prefeituras dos municípios envolvidos. Mais de quinhentos concludentes receberam diplomas de graduação. O evento, dividido em dois dias, foi realizado no Ginásio Poliesportivo Jader Machado.

Considerado o maior projeto de formação de professores da educação básica do Brasil, o Programa Especial de Formação de Professores para Educação Básica I Zona Rural (Profir) finalizou a formatura com quase dois mil e quinhentos professores. O curso durou seis anos, teve um custo aproximado de  R$ 45 milhões e contemplou os vinte e dois municípios do Estado do Acre. Matemática, Geografia, Letras, História, Pedagogia, Ciências Biológicas e Educação Física foram as áreas de formação desses profissionais.

Segunda maior cidade do Acre, Cruzeiro do Sul sediou a última colação de grau do Profir/2011. Professores de Mâncio Lima e Rodrigues Alves também participaram da solenidade de colação de grau.

O secretário de Estado de Educação e Esporte, Daniel Zen, ratifica a importancia do Profir como o maior programa de formação de professores para a educação básica. “Temos hoje uma quantidade cada vez maior de professores formados. E esse número está acima dos 94%. Queremos que todos os professores tenham nível superior e, a partir daí, pensaremos em mais programas de formação, como mestrado, doutorado, e ter mais qualidade no ensino”, afirmou o secretário.

Para a reitora da Universidade Federal do Acre, professora-doutora Olinda Batista Assmar, a instituição está cumprindo a sua função perante a comunidade. “A academia vem cumprindo seu papel social de formar pessoas capacitadas para o magistério. Alguns cursos ainda não foram oferecidos nos municípios de difícil acesso. É preciso que haja uma continuidade, e isso não depende exclusivamente da universidade. Pensamos na educação como forma de consolidar as ciências no Brasil, porque temos que formar pessoas não só para o Acre, mas para o país”, enfatizou.

O professor e formando em Letras Francisco Herlesson Freitas Melo, 24, começou a lecionar aos 18 anos. Ele leva mais de duas horas de barco para poder chegar até a comunidade Pucalpa, em Rodrigues Alves, onde trabalha. Formado em magistério e com o diploma na mão, ele afirma querer mais do que uma graduação. “É muito louvável essa iniciativa do governo. Espero que não pare por aí. Que tenhamos uma pós-graduação. Quem ganha com isso é a própria comunidade”, afirma Melo.

Evandro Eleutério da Silva é formando de Geografia e trabalha há mais de dez anos na comunidade rural Parque Nacional da Serra do Moa, em Mâncio Lima. A viagem até o local de trabalho, na Escola Josefa Queiroz, leva um dia de barco. Segundo ele, a maior dificuldade para ensinar na zona rural é o acesso a essas localidades.

“A maior dificuldade é chegar até a escola. Isso muda quando chegamos lá e vemos o desejo das crianças de aprender. Esquecemos todas as dificuldades. Estou muito orgulhoso por estar me formando. Agora garanto oferecer o máximo de mim para que essas crianças tenham um futuro menos difícil”, disse. (Assessoria)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation