Soldados da Borracha são agora heróis da Pátria

A presidente Dilma Roussef sancionou a Lei 12.447, publicada nesta segunda-feira, que inscreve os nomes de cerca de 65 mil “Soldados da Borracha” no Livro dos Heróis da Pátria.

A proposta passou por todas as comissões da Câmara e foi aprovada, em caráter conclusivo, na tarde da última segunda-feira, na Comissão de Educação, Cultura e Esportes do Senado, sendo o último relatório assinado pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) antes de ela assumir o cargo de ministra-chefe da Casa civil.

“Os Soldados da Borracha estiveram sujeitos a condições de trabalho e sobrevivência extremamente severas, contribuindo diretamente para o mesmo objetivo dos ex-combatentes, que se uniram às Forças Aliadas para derrotar as Potências do Eixo”, defendeu a senadora-ministra. Seu voto foi acatado pela unanimidade dos senadores.

A homenagem se deve ao trabalho realizado pelos 65 mil brasileiros que foram para a Amazônia durante a 2ª Guerra Mundial. “Esse contingente realizou notável trabalho, suprindo as necessidades de látex durante o conflito mundial, uma vez que foi bloqueado o acesso aos seringais da Malásia”, explica ela.

Em seu relatório, Gleisi Hoffmann explica que, “embora não tenham participado dos combates, os Soldados da Borracha estiveram sujeitos a condições de trabalho e sobrevivência extremamente severas, contribuindo diretamente para o mesmo objetivo dos ex-combatentes, que se uniram às Forças Aliadas para derrotar as Potências do Eixo”.

Os dez heróis do Livro dos Heróis da Pátria: Joaquim José da Silva Xavier, ‘Tiradentes’ (1746-1792); Zumbi dos Palmares (1655-1695); Marechal Deodoro da Fonseca (1827-1892); Dom Pedro I (1798-1834); Duque de Caxias (1803-1880); Plácido de Castro (1873-1908); Almirante Tamandaré (1807-1897); Almirante Barroso (1804-1882); Alberto Santos Dumont (1873-1932); e José Bonifácio de Andrada e Silva (1763- 1838). (Do site Rondoniaagora)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation