Esposa teria pago R$ 4 mil para executar comerciante

A Delegacia Antiassalto (Dapc) da Polícia Civil elucidou em tempo recorde a morte do comerciante João Gomes da Silva, 40 anos, assassinado a golpe de faca, durante um suposto latrocínio (roubo seguido de morte). Foram presos o acusado da morte e a suposta mandante do crime, que, segundo a polícia, foi a mulher da vítima, Jacinta Marta Nascimento Pereira, 33 anos. A PC chegou até eles através da Delegacia Antiassalto (Dapc) da Divisão de Investigação Criminal.
Matador
Segundo as investigações, o acusado de matar o comerciante foi preso na tarde de segunda, 11, no mesmo bairro em que ocorreu o crime. Ricardo Pereira da Silva, 19 anos, o ‘Murmuru’, tem passagem pela polícia por furto. Ele teria sido contratado por Jacinta para executar o marido pelo valor de R$ 4 mil.

Segundo o apurado, na hora em que João Gomes foi morto, ele dormia no sofá da sala. O assassino desferiu 3 golpes de faca no peito da vítima, um dos quais atingiu o coração e causou a morte de João Gomes. Ele sequer teve como se defender, morrendo dentro de casa.

O crime – O crime aconteceu por volta das 23 horas, no Ramal Bom Jesus, bairro Vila Acre, onde morava o casal.

A acusada de encomendar a morte do marido estava dentro do quarto, sem fazer barulho, supostamente para evitar que seu companheiro reagisse.

Jacinta Marta ainda teria simulado o latrocínio, alegando que o marido teria se negado a entregar o dinheiro que havia recebido da locação de um de seus imóveis (na versão dele, ele teria sido morto por 2 assaltantes por isso). Ela diz que eles te-riam invadido a casa, rendido-a e, em seguida, tentando tomar o dinheiro de João Gomes.

No entanto, a polícia descobriu que durante a ‘encenação’ a mulher não teria se preocupado de ligar por ajuda, se concentrando apenas em chamar a atenção dos vizinhos e repetindo diversas vezes que foi um assalto praticado por 2 homens que teriam fugido em uma motocicleta. A estratégia falhou!

Prisão e confissão do acusado – O delegado Cleylton Videira, da Delegacia Antiassalto, interrogou Ricardo Pereira da Silva, que confessou o crime.

Em depoimento, o executor disse que teria conhecido a mulher que o contratou para ‘eliminar’ João Gomes, por volta de meio-dia de sexta, 8, data da morte. Ele assegura que não recebeu dinheiro, no entanto, admite ter levado R$ 200 que estavam na carteira da vítima.

Ainda conforme a investigação, Jacinta iria ficar com 1 terreno e 1 prédio avaliado em R$ 200 mil. Todo material pra confecção de doces e pães ficou com João Gomes, que estava abrindo uma firma de panificação em Porto Velho (RO). “O casal já estava separado fazia alguns dias, mas tinham ainda relações comercias”, disse o delegado.

Videira representou pela prisão de Jacinta Marta do N. Pereira, no plantão judiciário.

Ao avançar na apuração, se constatou que o suspeito tinha envolvimento com o tráfico de drogas. Ao vasculharem a sua casa, os investigadores apreenderam 4 papelotes de cocaína, 17 papelotes de pasta-base e 15 tabletes de maconha, além de tijolo da erva.

Mulher nega ser mandante do crime – Em depoimento ao delegado, Jacinta nega ter contratado Ricardo Murmuru pra matar seu companheiro.

Ela manteve a versão de latrocínio. No entanto, o acusado reafirmou que teria matado João Gomes por dinheiro e ainda disse mais. Ele revelou que, antes de ser contratado supostamente por Jacinta Marta, ela teria tentado contratar um adolescente (menor de idade) que não teria aceitado a encomenda.

O acusado detalhou, ainda, que para o adolescente a mulher teria oferecido o valor de R$ 5 mil. Mesmo assim, o rapaz não aceitou a empreitada.

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation