Mãe de estudante agredido em Escola contrata segurança particular para o filho

A cabeleireira Maria Lindomar Bessa de Almeida, 37 anos, mãe de um adolescente de 15 anos, que estuda na Escola Padre Carlos Casavechia, disse ter sido obrigada a pagar um segurança particular para acompanhar o filho à Escola.
Segurana
Depois de o garoto ter sido agredido pela 4ª vez, sendo que a última agressão ocorreu na tarde desta quarta-feira, 14, o adolescente sofreu uma fratura no braço direito, resultado de agressão causada por alunos, dentro das dependências da Escola.

Segundo informações de Maria Lindomar, o filho passou a ser alvo de agressão, depois que foi chamado na diretoria da Escola, onde teria delatado colegas que faziam uso de entorpecentes no pátio da Escola.

A mãe do estudante afirmou que a direção da Escola tem conhecimento das agressões e nada fez para evitar.

“O segurança o deixa na porta da Escola e no horário da saída o acompanha até a residência, nesse percurso ele fica protegido, mas dentro da Escola o segurança não pode entrar e é quando os agressores atacam meu filho” afirmou a mãe do estudante.

A coordenadora da Escola, Socorro Magalhães, confirmou que a última agressão aconteceu no interior da Escola, mas alega que as outras três foram na frente da Escola, o que foge a responsabilidade da direção.

Inconformada a mãe do estudante disse que vai denunciar o caso ao Conselho da Secretaria de Educação, e que não vai tirar o filho do Colégio, pois é um direito dele, a educação.

“Eu faço a minha parte, e quero que a Escola seja responsabilizada pela falta de segurança, e se meu filho hoje é vítima de agressão é por que alertou a direção sobre o consumo de drogas dentro daquele Colégio” disse Maria Lindomar.

Segurana_2

Segurana_3

Segurana_4

Segurana_5

Assuntos desta notícia


Join the Conversation