“A oposição está perdida”,diz Tião

O governador Tião Viana cumpriu extensa agenda, ontem, em Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima no Vale do Juruá acompanhado de secretários , deputados federais Taumaturgo Lima (PT/AC) e Perpétua Almeida (PCdoB), além dos senador Aníbal Diniz (PT/AC).  Inaugurou 260 casas populares para os moradores do bairro da Lagoa que foram transferidos devido a construção da ponte sobre o Rio Juruá.
Tiao-1707
Pela manhã, durante entrevista à Radio e TV Juruá, o governador justificou o empréstimo de R$ 685 milhões junto ao BNDES. “Para estimular o turismo da região vamos revitalizar toda área do Igarapé Preto que será um dos lugares mais aprazíveis do Estado. Também vale destacar que investiremos no bairro do Remanso para melhorar a qualidade de vida de quem vive lá. O projeto Ruas do Povo atrasou um pouco a licitação em Cruzeiro do Sul, mas já vamos começar em breve a pavimentação das ruas da cidade”, frisou Tião Viana.

Denúncias
A BR-364 foi um dos principais assuntos da entrevista. Tião Viana anunciou a inauguração da ponte sobre o Juruá para o dia 14 de agosto. Ele e o senador Aníbal Diniz condenaram declarações do senador Sérgio Petecão (PMN/AC) de que a estrada que liga Cruzeiro do Sul a Rio Branco é a mais cara do Brasil. “As obras no Acre tem uma logística mais difícil do que em qualquer região do Brasil e, em São Paulo, aonde o governo é de oposição as obras são mais caras. Por exemplo, só o anel viário custou R$ 5 bilhões. Durante todos os seus anos de mandato no Congresso Nacional do senador Petecão não enviou nenhum recurso para as obras da estrada. Acho que ele está com inveja da gente estar conseguindo terminar uma obra que ninguém acreditava”, disse ele.

Por outro lado, Aníbal Diniz considerou uma irresponsabilidade do seu colega do Senado. “Num momento em que recentemente houve problemas com o ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, esse tipo de declaração poderá criar problema para o envio de recursos para o Estado. É uma falta de compromisso com o povo do Acre, uma declaração como essas vinda de um senador em Brasília que tem um peso muito grande e pode prejudicar  o Governo e o andamento das obras”, declarou Diniz.

Endividamento
Outra questão levantada pela oposição e rebatida pelo governador se refere ao endividamento do Estado. “A oposição está é perdida. Tem vários estados governados por eles como o Pará e São Paulo que gosta-riam de ter as nossas condições de crédito. São Paulo tem um endividamento maior proporcio-nalmente ao do Acre. Agora querem que a gente não venha capitalizar recursos para desenvolver o Acre. O Acre é um dos três estados do país que está em condições para receber investimentos do BNDES. Na Aleac alguns deputados de oposição votaram contra o empréstimo, mas não foram todos. Dos oito só quatro votaram contra”, afirmou Tião Viana.

Também Aníbal Diniz defendeu a busca de crédito do Estado para aplicar em desenvolvimento. “A nossa capacidade de endividamento é muito maior do que qualquer outro estado do país. Não é fácil conseguir credibilidade junto ao BNDES para conseguir um empréstimo tão vultuoso. Isso acontece porque temos responsabilidade fiscal e estamos com as contas equilibradas, graças a capacidade e ousadia do governador Tião Viana. Só uma pessoa com muita responsabilidade e com compromisso tem a capacidade de fazer esses investimentos para melhorar a vida do povo acreano”, ressaltou.

Conclusão da BR
Mais uma vez o governador Tião Viana afirmou que a BR- 364 não deverá fechar para o tráfego de veículos durante o inverno amazônico. “A única ponte que falta é a do Rio Envira, em Feijó, que será aberta para o trânsito de veículos em 60 dias. É uma emoção saber que as pessoas estão fazendo a viagem a Feijó em até seis horas. Se Deus quiser a BR não fechará mais e no máximo até maio do próximo ano estaremos com essa obra toda concluída e comemorando a integração de todo o Estado do Acre. Uma profecia do escritor Euclides da Cunha de integração amazônica que estamos concretizando”, garantiu.

Investimentos
O governador destacou ainda os investimentos em produção na região do Juruá. “Estamos viabilizandoquatro mil toneladas de calcário para preparar o solo, 60 mil mudas de cocô com o objetivo de montar uma indústria na região para abastecer o mercado nacional e internacional. Mâncio Lima já está enviando abastecendo a Capital. Mas vamos empreender para a recuperação de casas de farinha e formação de fábricas valorizando a madeira, a piscicultura. Estou cheio de alegria e de confiança para cada mês da a gente gerar mais empregos e oportunidades à nossa população”, finalizou.

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation