Mudanças nos Transportes estão terminando, diz Michel Temer

O vice-presidente da República, Michel Temer, disse nesta quarta-feira (27) que as mudanças no Ministério dos Transportes estão próximas do fim. Segundo ele, a pasta deverá retomar “o rumo normal”.

“Estão se encerrando [as mudanças no Ministério dos Transportes]. A presidenta Dilma tomou as providências que entende que deveria tomar. O ministério deve retomar o rumo normal”, disse Temer durante a inauguração da Ponte Estaiada Governador Orestes Quércia, em São Paulo.

A crise instalada na pasta por causa de denúncias de superfaturamento em obras já causou o afastamento de 18 funcionários, incluindo o ex-ministro Alfredo Nascimento. Ainda segundo Temer, o novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, vai continuar a verificar possíveis irregularidades na pasta.

“O ministro que assumiu tomou todas as medidas. Mas evidentemente que o ministro irá continuar a verificar o que houve de desajustamento e, se houver novos desajustamentos, é claro que irá tomar novas previdências.”

A última baixa na pasta ocorreu na segunda-feira (25). O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, pediu exoneração do cargo. A demissão de Pagot  foi publicada nesta quarta no “Diário Oficial da União”, junto com a exoneração de Hideraldo Caron, ex-diretor de infraestrutura do Dnit.

As irregularidades foram publicadas pela revista “Veja” em 2 de julho. O texto relatou que representantes do PR, partido ao qual pertencem o ex-ministro e a maior parte da cúpula do ministério, funcionários da pasta e de órgãos vinculados teriam montado um esquema de superfaturamento de obras e recebimento de propina por meio de empreiteiras.

No mesmo dia, Nascimento determinou o afastamento de funcionários da cúpula da pasta.

Quatro dias depois foi a vez de o então titular da pasta pedir demissão. Nascimento não suportou as pressões por conta de suspeitas de que seu filho tenha enriquecido ilicitamente em razão do cargo de ministro. Ao assumir o posto, em 12 de julho, o novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, afirmou que faria “ajustes” que envolveriam troca de pessoas e modificações em processos da pasta.

Dólar e Jobim
No evento realizado na capital paulista, Temer disse que a desvalorização do dólar é algo que traz “preocupação razoável” ao governo. Ele acrescentou, porém, estar seguro que logo a situação irá se normalizar. “O Brasil, se houver um problema, estará preparado para enfrentar a crise.”

Questionado sobre o voto do ministro da Defesa, Nelson Jobim, no candidato José Serra, na eleição de 2010,  Temer disse:
“O Jobim é um homem muito franco. Ele disse algo que é verdade. Já havia dito à presidenta Dilma isso.”

Para Temer, que é presidente licenciado do PMDB, partido de Jobim,  a opção do ministro não irá abalar sua reputação. “É um quadro muito valioso no PMDB e faz um trabalho excelente no Ministério da Defesa. A franqueza dele não altera sua posição no governo.”

Em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo” nesta quarta-feira, Jobim afirmou que, apesar de fazer parte da cúpula do governo, votou em José Serra, candidato da oposição nas eleições presidenciais do ano passado. (G1)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation