Algumas doenças causadas por pombos

A Criptococose também conhecida por Torulose, Blastomicose Europeia ou Doença de Busse-Buschke é uma doença, micose causada pelo fungo Cryptococcus neoformans. Conforme sugerem Garcia e Martins (2011),  atualmente a criptococose ocorre no mundo todo, estando muito associada aos casos de AIDS. A doença acomete geralmente, pessoas adultas, sendo duas vezes mais frequente no gênero masculino. A transmissão é feita pela inalação do fungo e a mortalidade em humanos situa-se em torno de 12%.

SINTOMAS
Os sintomas característicos segundo o portal InfoEscola (2011), podem ser divididos em quatro principais síndromes, que podem estar associadas ou isoladas em um mesmo indivíduo, quais sejam:

1) Síndrome respiratória – estão presentes estertores respiratórios, corrimento nasal (mucopurulento, seroso ou sanguinolento), dispnéia inspiratória e espirros. Esta síndrome ocorre com maior frequencia em felinos domésticos, sendo observada nesses animais a formação de pólipos no tecido subcutâneo, especialmente na região nasal (“nariz de palhaço”); os cães também podem apresentar tosse;

2) Síndrome neurológica – os olhos e o sistema nervoso central são os mais afetados. Esta síndrome manifesta-se nos cães sob a forma de meningoencefalite, sendo que os sintomas dependem do local da lesão. Geralmente, observa-se depressão, desorientação, vocali-zação, diminuição da consciência, ataxia, andar em círculos, espasmos, paraplegia, convulsões, dilatação da pupila, diminuição da visão, cegueira, surdez e perda de olfato;

3) Síndrome ocular – os sinais clínicos mais observados são hemorragia da retina, edema papilar, neurite óptica, midríase, fotofobia, blefarospasmo, opacidade da córnea, edema inflamatório da íris e/ou hifema e cegueira;

4) Síndrome cutânea – ocorre especialmente nos felinos, sendo que as lesões de pele encontram-se, principalmente, na cabeça e pescoço desses animais. Essas lesões correspondem a ulcerações, que podem ser nos lábios, nas patas no focinho, na língua, no palato e na gengiva.

TRANSMISSÃO
A transmissão de doenças ao homem pelos pombos conforme os autores consultados, ocorre através de inalação ou ingestão de partículas que contenham bactérias ou fungos. Esses podem ser encontrados nos resíduos deixados pelas aves como nas fezes secas (em forma de pó) e ninhos. Após a inalação, o fungo afeta inicialmente os pulmões e, posteriormente a corrente sanguínea que irá levar o microrganismo para outros órgãos.
O fungo pode também ser inoculado através da pele e ocasionar infecção através das mucosas em pacientes imunocomprometidos.

TRATAMENTO
Segundo os especialistas, a criptococose tem cura, porém, o tratamento demanda intenso combate às deficiências do sistema imunológico. Atualmente a criptococose é tratada, com a utilização de mediamentos antifúngicos.
Um tratamento alternativo segundo matéria publicada no site criptococosenaenfermagem é o uso do óleo do pequi, que é extraído da semente do fruto, sendo eficaz e mais barato.

PREVENÇÃO
A principal medida para o controle da criptococose é a imple-mentação de ações de controle da população de pombos, que é a principal fonte de transmissão dessa doença. Quando houver necessidade de limpar os locais freqüentados por pombos, deve-se usar máscara ou um pano umedecido na área da boca e do nariz. Quando possível também é recomendável umedecer a área, que será limpa antes de executar a limpeza.
Um fator de fundamental importância na prevenção dessas enfermidades é auxiliar no controle populacional dos pombos, ou seja, não alimentá-los.
Outras doenças também causadas por pombos são:

HISTOPLASMOSE 
Transmitida pela inalação do esporo do fungo Histoplasma apsulatum encontrado em fezes secas de pombos e morcegos. Causa uma micose profunda e seus sintomas variam desde uma infecção assintomática até febre, dor torácica, tosse, mal-estar geral, anemia, etc. É uma doença que vai depender do estado de saúde do indivíduo, podendo assim se desenvolver ou não.

SALMONELOSE
Causada pela ingestão de ovos ou carne contaminados pela bactéria Salmonella sp presente nas fezes de pombos e outros animais. Gera uma toxinfecção alimentar com sintomas como febre, diarréia, vômitos, e dores abdominais. Suas fezes, em contato com alimentos como verduras, frutas, podem resultar nessa doença.

ORNITOSE
Também conhecida como psitacose, a ornitose é transmitida por via oral por meio da poeira contendo as fezes secas de aves (pombo, arara, papagaio, perus) e infectadas pela Chlamydia psittaci. A pessoa infectada pode apresentar febre, vômito, calafrio, mialgia, tosse, cefaléia, todos acompanhados por comprometimento, das vias aéreas superiores e inferiores. Essa doença é oportunista, ou seja, depende do estado de saúde do indivíduo.

DERMATITES
Parasitose causada pelo piolho do pombo (ácaros, Ornithonyssus sp.), que provoca erupções na pele e coceiras semelhantes às de picadas de insetos.

ALERGIAS
As alergias são ocasionadas pela inalação de penugens de pombos ou de um ar rico em poeira das fezes dos pombos. Pode causar rinites, ou crises de bronquite em pessoas sensíveis.

* Terezinha de Freitas Ferreira é doutora em enfermagem pela Universidade de São Paulo – USP. Docente do Centro de Ciências da Saúde e do Desporto – UFAC. Coordenadora Operacional do Doutorado Interinstitucional em Saúde Pública da Universidade de São Paulo – USP/Ufac.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation