Política local 10/08/2011

“A honra é um vestido transparente”.

(Ditado espanhol)

Não engana ninguém
O vereador Alisson Ferreira (PSC) toma café de manhã com o prefeito de Plácido de Castro, Paulinho Almeida (PT), e nas reuniões da oposição o detona. Só que foi gravado. E assim, acabou sua trama de defender uma candidatura alternativa a prefeito para dividir a oposição.

Bestene da fronteira
Para a vereadora Jamislene Vieira (PMDB), Alisson quer ser o “Bestene da fronteira”, alusão ao fato de José Bestene ter sido candidato à PMRB para dividir a oposição e dar a vitória ao PT.

Pesquisa define
Em Plácido de Castro o candidato da oposição, diz Jamislene, será o líder das pesquisas.

Belo exemplo
A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) deu um belo exemplo de como cumprir um mandato sem ranço: é dela a emenda que gerou o Centro da Juventude em Cruzeiro do Sul.

Assim se faz
Na inauguração, fez questão de entregar a obra junto com o prefeito Wagner Sales (PMDB).

Cão e gato
A relação do ex-prefeito Deda (PP) com o prefeito de Rodrigues Alves, Burica (PT), é como cão e gato, não existindo a mínima possibilidade de se juntarem na eleição municipal.

Nem poeira
Se o Deda sair do “Ficha Suja” e disputar a prefeitura, o Burica não vê nem a poeira.

Jogo de cena
Julinho, presidente do PRP, fala em lançar o vereador Raimundo Vaz (PRP) a prefeito. Conversa fiada: é um mero balão de ensaio para ele se cacifar dentro da FPA.

Cortou e aparou
Por isso o deputado Astério Moreira (PRP), cortou e aparou: não entra nessa patuscada.

Cuia de tacacá
O PSDB pensa em lançar o professor Emerson (PSDB) como candidato a prefeito de Brasiléia. É preparado. Mas, cá entre nós, numa avaliação alta, seus votos cabem numa cuia de tacacá.

Língua travada
O ex-deputado Delorgem Campos (PSB) não tem mais razão para continuar falando mal do PT nos quatro cantos de Brasiléia: acabou de ser nomeado diretor de uma estatal do governo.

Nas asas do padrinho
O vereador Rodrigo Pinto (PMDB) tem planos políticos fora do Acre. Ser candidato a deputado distrital de Brasília, em 2014, quando seu padrinho Luis Piestchaman disputará o governo.

Nome do PMDB
Dr. Roney é o nome que o PMDB colocará em discussão na oposição para prefeitura de Plácido de Castro. Na eleição passada perdeu por pouco mais de 20 votos para o prefeito Paulinho.

Curió de muda
O deputado federal Gladson Cameli (PP) está igual curió em muda: não dá um pio.

Fechada em copas
Depois de destronada da prefeitura de Senador Guiomard, a vice-prefeita Solange Pascoal (PMN), se fechou em copas e não atende o celular para dar a sua versão sobre o fato.

Quem cantou, cantou
Ao final da sessão de ontem o presidente Elson Santiago (PP) pôs um fim no “programa de calouro” da Aleac: proibiu deputado ir à tribuna para cantar ou rodar músicas.

Apoio definido
O deputado Astério Moreira (PRP) diz que, em Brasiléia, apoiará o candidato a prefeito do PT.

Me engana que eu gosto
O professor Airton Rocha (PPS) foi lançado ontem candidato a PMRB. Me engana que eu gosto. É uma estratégia do Márcio Bittar (manda no PPS) para indicá-lo vice de Tião Bocalom (PSDB)

Fato estranho
Estranho foi a presença da presidente do PV, Shirley Torres, da FPA, na mesa da solenidade.

Versões nebulosas
São nebulosas, uma delas impublicável, as versões sobre a briga do pastor Edson Cameli (PP) e o vice-prefeito de Sena Madureira, Jairo Cassiano (PDT), não se fala em outra coisa na cidade.

Fome no campo
O deputado Walter Prado (PDT) tem razão. O MP, ao liberar o desmate de 1 hectare mas proibir a queima é o mesmo que condenar os trabalhadores rurais de Tarauacá passar fome.

Nem rinchão
Desmatar, não queimar e plantar, não nasce nem capim rinchão na área, quanto mais lavoura.

Direitos humanos
Deputados da Comissão de Direitos Humanos da Aleac vão hoje à Brasiléia ver de perto dezenas de famílias sem-teto jogadas numa quadra de esporte que estão passando fome.

Melhor tratados
Os haitianos tiveram melhor tratamento que esses brasileiros.

Promessa é dívida
O deputado Chagas Romão tem razão: promessa é dívida. O comando da PM prometeu reativar o posto policial do Tancredo Neves e não cumpriu até agora. O que houve?

Quem quer bacalhau?
Foi um típico programa de calouros, ao estilo “Discoteca do Chacrinha” a sessão de ontem na Aleac. Para fustigar o governo a deputada Marileide Serafim (DEM) cantou “Mosca na Sopa” e “Como a Vovó dizia”, de Raul Seixas. O deputado Moisés Diniz (PCdoB) rodou no gravador a música “Iolanda”, do cantor cubano Pablo Milanez. As cômicas performances arrancaram risos.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation