Política local 16/08/2011

“Para quem deve pagar na páscoa, a quaresma e curta”.

(Benjamim Franklim)

Nada a desejar
Com a inauguração do Hospital da Mulher, moderno, funcional, bem equipado, somado ao Hospital do Juruá, que prima pelo bom atendimento (elogiado até por políticos da oposição), os moradores de Cruzeiro do Sul, no quesito saúde, se equiparam em atendimento à Capital.

Entre os melhores
Um médico, que esteve na inauguração, me disse ontem que, proporcionalmente, o Hospital da Mulher, em termos de equipamentos e funcionalidade, está entre os melhores do Norte.

Gafe política
O cerimonial do governador Tião Viana cometeu a gafe política em não convidar o prefeito da cidade, Wagner Sales, para a inauguração da ponte sobre o Rio Juruá, uma falha condenável.

Nem um pouco
Segundo fonte próxima ao governador Tião, este só soube da falha do cerimonial quando não viu Wagner Sales no palanque da inauguração e teria ficado irritado com a falta de cortesia.

Não é dele
Quem conhece o governador Tião Viana sabe que ela separa os relacionamentos político e institucional, até porque as diferenças políticas devem ficar restritas ao palanque da eleição.

Estranho no ninho
As declarações do ex-prefeito do Bujari, Clóvis Melo, de que o PT terá candidato próprio a prefeito, acabaram com o sonho do prefeito Padeiro de ser o candidato único da FPA.

Nem motivo
Na verdade, não há motivo para que isso acontecesse para beneficiar o prefeito Padeiro, que chegou ontem na FPA, e com a qual não tem a mínima afinidade ideológica e de programa.

Nem mel, nem cabaça
O Padeiro armou e se deu mal, não terá na campanha o eleitorado da oposição nem o do PT.

Palanque vazio
Com uma acusação de trapalhada atrás da outra (a mais recente de pagar advogado particular com dinheiro da prefeitura), será difícil o prefeito Neuzari Pinheiro (PT) fazer o seu sucessor.

Muito constrangedor
Torna até constrangedor a presença das lideranças do PT no seu palanque na eleição para prefeito, no próximo ano. Neuzari não tem uma assessoria capaz que o oriente em nada?

 Pode até ser
A candidatura do professor Airton Rocha (PPS) a prefeito da Capital pode até ser para valer, só que não se consegue encontrar ninguém que não ache que é só para barganhar.

Exatamente por isso
O principal mote que embala a dúvida é que sua chance de ganhar a PMRB é quase zero.

É quem trabalha
O deputado federal Sibá Machado (PT) é quem mais trabalha dentro do seu partido para ser candidato à PMRB, e segundo seus amigos mais próximos, ele está convicto da sua escolha.

Questão política
Dos nomes da FPA para a PMRB, o de maior densidade é o da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), mas, dificilmente, o PT abrirá de indicar o nome da cabeça de chapa.

Mano a mano
Em Sena Madureira, caso pudesse ser candidato, o prefeito Nílson Areal disputaria no mano a mano a prefeitura do município com a ex-prefeita Toinha Vieira (PSDB), sem favoritos.

Morreu Nero
Mas, é aí que morreu Nero. Sem ser candidato, o prefeito Nílson Areal tem um problema sério para fazer o seu sucessor, o de não ter entre os aliados um nome com sua mesma densidade.

Não tem tu
Na base do não tem tu vai tu mesmo, seu candidato deve ser o vice Jairo Cassiano (PDT).

Fim do mote
Com a inauguração do Hospital da Mulher, em Cruzeiro do Sul, a oposição na Câmara Municipal perde sua principal bandeira de discursos: a velha e inefi-ciente maternidade.

Sem erro
Caso a oposição opte em Plácido de Castro, como divulgou, pelas pesquisas para a escolha do candidato a prefeito, é provável que o Dr. Roney apareça liderando a preferência dos eleitores.

Fechado em copas
O prefeito Paulinho Almeida ainda não deu um sinal claro sobre quem apoiará no PT.

Tudo que queria
Amigos do prefeito de Senador Guiomard, James Gomes, avaliam que com mais duas candidaturas a prefeito: Solange Pascoal e André Maia, a sua reeleição será facilitada.

Em tese, sim
Em tese faz sentido, é bom para quem está no poder a existência de vários candidatos.

Vice do PT
Ninguém se admire se o dirigente do PRP, em Epitaciolândia, Caleb Hassem, surgir no próximo ano como vice do candidato a prefeito do PT, Marcos Fernandes. Anotem e depois confiram.

Quebraram o tatu
O folclórico “Ilson Maninha”, hoje radialista da Rádio Difusora Acreana, teve uma carreira curta como revisor de matérias de jornais, na década de setenta. Ao trocar o título de “O RIO BRANCO”,  “Quebraram o tabu”, por achar errado, para “Quebraram o tatu”, “Maninha” foi sumariamente demitido pelo diretor Zé Leite com a recomendação para ser coveiro.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation