Política local 19/08/2011

“Podemos deter-nos quando subimos, não quando descemos”.

(Napoleão Bonaparte)

Guerrinha surda
Odeputado Luiz Tchê (PDT), ao ouvir numa roda sobre a saída de Henrique Corinto (PCdoB) da chefia da Secretaria de Direitos Humanos, fulminou: “qualquer desgraça com o PCdoB me agrada”. Tchê prometeu que o PDT defenderá na FPA o deputado Ney Amorim (PT) à PMRB.

Otimismo a flor da pele
O deputado Eduardo Farias (PCdoB) é um otimista quando se trata da escolha da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) à PMRB: “o PT vai entender ser ela o melhor nome”.

Meu pirão primeiro
Já o deputado Geraldo Pereira (PT), na sua calma de monge budista, quando se discute sobre quem deve indicar o candidato, é curto: “a vaga natural é do PT, vou defender que assim seja”.

Chapa própria
O PCdoB irá disputar vagas na Câmara Municipal de Rio Branco, com chapa própria, na eleição do próximo ano, é o que será anunciado por sua direção, amanhã, durante a sua convenção.

Ainda repercute
Nas rodas políticas da Aleac ainda se comenta o “belo discurso”, com uma eloqüência jamais esperada, feito pelo presidente Élson Santiago (PP), na inauguração da ponte do Rio Juruá.

Formigas de roça
“Vou com as minhas formigas de roça andar de casa em casa no próximo ano pedindo votos para o meu candidato a vereador, o Rodrigo Beirute (PTB)”. Deputado Edvaldo Sousa (PSDC).

Nunca pariu!
Ao ouvir o deputado Eber Machado (PSDC) dizer ontem na Aleac que a ponte no Rio Juruá foi um “parto de alegria”, uma jornalista tascou: “parto alegre? Nunca pariu, não sabe o que é dor!”.

Sonho próximo
O secretário de Indústria, Edvaldo Magalhães, concentra todos os esforços para antes do final do ano ter a autorização de alfandegamento em mãos, e daí em diante deslanchar a ZPE.

É o caminho
O Acre tem que deixar de apostar em coisas pequenas, mas industrializar, gerar empregos, renda, enfim, sair do marasmo econômico no qual está imerso em longas décadas.

Nome comentado
Setores da oposição defendem o nome da bem articulada pastora da Igreja Batista do Bosque, Sandra Asfury, mulher do deputado Jamil Asfury (DEM), como vice de Tião Bocalom (PSDB).

Pergunta em Feijó
Pergunta que se faz nos bastidores políticos de Feijó: o vice-prefeito Pelé Campos (PMDB) apoiará o candidato a prefeito Abner (PMDB), ou a reeleição do prefeito Dindim (PSDB)?

Polos distintos
Ontem, numa roda de políticos da oposição e de governistas, todos concordaram que o governo Tião Viana deslanchou, mas, quando se falou no PT, as críticas choveram forte.

É o que se ouve
Tião Viana conseguiu imprimir o ritmo de governo a que se propôs, dinâmico, já a imagem do PT, como partido, atravessa um desgaste cada vez maior, é a dedução pelo que se ouve.

Papa tranqüilo
A oposição em Plácido de Castro só tem chance de ganhar a prefeitura, se for em torno de um candidato de consenso, se sair com mais de um nome, o prefeito Paulinho faz o sucessor.

Boca Cheia
Junior “Boca Cheia” é o candidato a ser apoiado pela família Santiago a vereador da Capital.

Aliança de oposição
Os partidos de oposição estão se aglutinando em Acrelândia para apoiar a prefeito o candidato Jonas da Farmácia (DEM). O apoio ao prefeito Clovis Moretti (PMN) está descartado.

Compromisso formal
Os deputados Edvaldo Sousa (PSDC) e Eber Machado (PSDC) procuraram Tião Viana com a mensagem: “decidimos apoiar o seu candidato a prefeito de Rio Branco”.

Opção declarada
No debate da FPA devem defender o nome do deputado Ney Amorim (PT) para a PMRB.

Tomou corpo
A informação que tenho do PT é que tomou corpo a candidatura do Ney Amorim.

Primeira mão
A fonte eu não vou revelar. Mas, mais segura não existe. Ninguém se admire nem um pouco se no curso das discussões na FPA o deputado Henrique Afonso (PV) desistir da PMRB.

Saldo considerável
O programa de pavimentação a tijolos avançou bem: já são 82 ruas entregues à população.

Magoado, e muito!
Tião Bocalom (PSDB) não esconde a mágoa com o apoio de Sérgio Petecão ao Fernando Melo.

Sonho da Marinheira
Encontrei ontem minha velha amiga, a ex-vereadora Chica Marinheiro (PT), que tem dois sonhos: o Vaticano lhe deixar rezar uma missa ou então se casar com um padre.

Não conheço um Estado
Não entendo o candidato Tião Bocalom (PSDB) pregar contra o governador Tião Viana contrair empréstimos para fazer obras no Estado. Não há como executá-las com recursos pró-prios. Ademais, só contrai empréstimo o Estado de finanças sa-dias. É o caso do Acre. É balela dizer que não terá como pagar. Não conheço um Estado no Brasil que não se endividou para crescer. 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation