Política nacional 03/08/2011

“Brincadeira tem hora. Agora só falta chover para cima”.

Senador Magno Malta (PR-ES), irritado com o PT pelo inferno astral do seu partido.

Dilma escolhe técnicos para diretoria do DNIT
A presidenta Dilma Rousseff ordenou e o ministro Paulo Sérgio Passos (Transportes), que tem juízo, aquiesceu: sua equipe será composta exclusivamente por funcionários de carreira, sobretudo para a direção do DNIT. O novo diretor-geral deverá ser Amauri Souza Lima, atual superintendente do DNIT no Estado do Tocantins. Dilma e Passos ainda vão avaliar se a nomeação será definitiva ou apenas provisória.

Ficha técnica
Amauri Lima é engenheiro, filiado ao PMDB. Foi indicado para o DNIT-TO pelo senador João Ribeiro (PR-TO), mas sua escolha é técnica.

Gato escaldado
O PR continua magoado com o ministro Paulo Sérgio Passos. Ele tem sido gentil, mas mantém seus correligionários longe do ministério.

Até quando?
Palavra de importante líder do PR: “O governo vai continuar fingindo que nós somos aliados, e o partido continuará fingindo ser governista”.

Verdade seja dita
Nem todos os demitidos no Ministério dos Transportes são ligados à corrupção. Pode ser o novo ministro fazendo sua equipe de confiança.

SP: ‘Máfia da Mooca’
Três empresas que monopolizam, no governo tucano de São Paulo, o fornecimento de fardamentos, mochilas e kits para estudantes, devem vencer mais uma licitação nesta quinta (4). Qualquer delas (Capricórnio S/A, Diana Paolucci S/A e Mercosul Comercial Ltda), conhecidas nos meios empresariais como “Máfia da Mooca”, deve vencer o pregão, como ocorre desde 2005, para fornecer 5,7 milhões de mochilas. Se perder, a “máfia” consegue desclassificar a vencedora. É a praxe.

À procura de CPI
O pregão para o contrato estimado em R$ 40 milhões será promovido pela Fundação de Desenvolvimento da Educação, do governo paulista.

Negócio da China
As empresas compram cada mochila, na China, a 70 centavos de dólar e a vende ao governo de São Paulo dez vezes mais cara: US$ 7,00.

Ação de paternidade
Alfredo Nascimento louvou Dilma, “mãe do PAC”, e se disse “filho do PAC”. Filho espúrio, porque esqueceu do pai Lula, que o nomeou.

Holofotes
Ausente no depoimento de Luiz Pagot, a quem sempre chamou de “ladrão”, o senador tucano Mario Couto (PA) quis roubar a cena ontem, no discurso de Alfredo Nascimento, de quem ninguém rouba nada.

Sem medo de ser feliz
A empreiteira Sanchez Tripolini, que fez doações para a campanha da senadora e ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil), continua surfando no aumento de 1.273% dos seus contratos no DNIT: no dia 27, em plena crise, faturou mais um empenho, desta vez no valor de R$ 100 milhões.

Tema proibido
Dia 1º, véspera do discurso do ex-ministro Alfredo Nascimento, Dilma mandou Ideli Salvatti saber o que o senador do PR-AM ia falar. Foi tranqüilizada: nada seria dito sobre arrecadação para sua campanha.

Pressão alta
Enquanto o ex-ministro Alfredo Nascimento discursava no Senado, um sujeito engravatado pedia, numa drogaria da Asa Norte, em Brasília, remédio para pressão. Era o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP).

Assombração
Empolgado com sua defesa no Senado, o ex-ministro Alfredo Nascimento matou o vivíssimo ex-ministro petista Luiz Gushiken (Comunicação), atribuindo sua “morte” ao desgosto com o “mensalão”.

Richa apoia ficha suja
O governador tucano Beto Richa, apoia um ficha suja para presidir a Federação das Indústrias, a Fiep, na eleição desta quarta-feira: Ricardo Barros foi condenado no Tribunal de Justiça do PR por improbidade. A lesão ao erário teria sido cometida quando ele foi prefeito de Maringá.

Air chão
A Air France deixou brasileiros no saguão do aeroporto Charles de Gaule, ontem, em Paris. O vôo para o Rio foi cancelado por causa de greve dos mecânicos; o vôo para São Paulo teve overbooking.

Casal ‘América’
Muita gente estranhou, a criançada reconheceu, mas eles são fãs. O casal de deputados Esperidião e Ângela Amim (PP-SC) surgiu na fila de cinema em Flo-rianópolis para uma sessão de “Capitão América”.

Efeito Lula
Pilotos da TAM em vôos internacionais não falam inglês. Deve ser revanche contra os colegas americanos que não falam português…

PODER SEM PUDOR
Movimento subversivo
Secretário do Interior de Minas Gerais nos anos 70, Ovídeo de Abreu adorava usar palavras difíceis. Certa vez, às vésperas de um pequeno tremor de terra em Bom Sucesso, ele telegrafou ao prefeito:
– “Movimento sísmico previsto essa região. Provável epicentro movimento telúrico sua cidade. Obséquio tomar as providências cabíveis”.
A resposta do prefeito chegaria quatro dias depois, também por telegrama:
– “Movimento sísmico debelado. Epicentro preso, incomunicável, cadeia local. Desculpe demora. Houve terremoto na cidade”.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation