Política nacional 04/08/2011

“Eu posso ter vacilado”.

Senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO), que apoiou, recuou e apoiou de novo a CPI da ladroagem.

PR definirá contra-ataque em reunião na terça
OPartido da República vai à forra e quer se vingar da “faxina” que o retirou do comando do Ministério dos Transportes, incluindo o DNIT. O presidente do PR, senador e ex-ministro Alfredo Nascimento (AM), convocou para a próxima terça (9) uma reunião com os sete senadores e 40 deputados. Grande parte pressiona a cúpula do PR a romper com o governo Dilma, mas a tendência é o partido ficar “independente”.

E os outros?
O PR deve mirar baterias nas obras bilionárias da transposição do Rio S. Francisco. Vai  sobrar  para  o  ministro Fernand Bezerra (Integração).
 
Pedindo calma
O senador Magno Malta (PR-ES) virou bombeiro: alega que após pedir votos para Dilma, não fica bem o partido, agora, fazer-lhe oposição.
 
Poço de mágoas
O PR também tem mágoas do PMDB. “A relação é a pior possível”, admite o deputado Lu-ciano Castro (RR), vice-líder do governo.
 
Pé na bunda
Dilma não esqueceu: procura substituto para Nelson Jobim (Defesa). Ela prepara a rebordosa. Vingança, afinal, é prato que se come frio.
 
Ministério de Lupi
Enquanto conta lorota na televisão, dizendo que seu PDT é “o partido que protege o trabalhador”, o ministro Carlos Lupi (Trabalho) permite grave atentado aos direitos trabalhistas dos empregados da Captar, empresa prestadora de serviços em seu ministério: salários são pagos com atraso (julho está em aberto), mesmo depois de reduzidos, em clara afronta à lei trabalhista, além de sonegar até o ticket-refeição.
 
Disse-me-disse
A Captar se diz vítima de calote e o ministério diz estar em dia. Vítimas da mentira, servidores já não têm vale-transporte para ir ao trabalho.
 
O retorno
Cesar Maia diz que será candidato a vereador, em 2012, mas sua família está avisada que ele vai disputar mesmo é a prefeitura do Rio.
 
Arrivederci
O Brasil aplicou a lei de reciprocidade com a Itália: o visto para italianos agora é de três meses, sem prorrogação. Battisti se livrou dessa…
 
Depoimento voluntário
O ministro Mário Negromonte (Cidades) vai prestar esclarecimentos voluntariamente, na Câmara, dia 10. Ele dirá que as obras citadas na denúncia contra seu ministério são anteriores à sua gestão.
A Caixa fiscaliza
Mário Negromonte dirá também aos deputados que as licitações e contratos das secretarias do seu ministério são da alçada de estados e municípios e monitoradas pela Caixa, que paga após rigorosa análise.
 
Xerife olímpico
O chefe da Autoridade Pública Olímpica para os Jogos de 2016, Marcio Fortes, criará a figura do chefe de segurança, para ações de prevenção ao terrorismo. Um oficial superior das Forças Armadas será convidado.
 
Jader no sal
Influentes senadores do PMDB trabalham para postergar a posse de Jader Barbalho (PMDB-PA), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e João Capiberibe (PSB-AP) no Senado. É que estes dois vão desalojar peemedebistas. E Jáder pela ameaça de dividir o poder no PMDB.
 
Ficha manchada
O novo secretário de Obras do governo do DF, Oto Silvério Guimarães Jr, teve as contas questionadas e até consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas, por sua gestão de 1998 na estatal Novacap.
 
Guia Sarney
O pequeno restaurante “Casinha Velha”, numa distante aldeia de Leiria, Portugal, é hoje um dos melhores da Europa. Só há cinco anos o guia Michellin o descobriu. Antes, em 2001, um brasileiro foi lá e deixou seu testemunho. O texto de José Sarney, emoldurado, continua na parede.
 
Jogo baiano
O senador João Durval (PDT-BA), que assinou e retirou seu apoio à CPI dos Transportes, tenta ajudar o filho, deputado Sérgio Carneiro (PT-BA), que ainda sonha ser ministro do Tribunal de Contas da União.
 
Quem manda
Aliado do governo federal, o senador Zezé Perrela (PDT-MG), suplente de Itamar Franco, mostrou a quem deve o mandato: a pedido de Aécio Neves (PSDB-MG), assinou apoio para criar a CPI dos Transportes.
 
Lost and found
Autoridades americanas descobriram túnel clandestino para o México. A oposição ainda tenta achar o túnel do DNIT até o Planalto.

PODER SEM PUDOR
Difícil votar em branco
Dois mulatos disputavam o governo da Bahia, em 1947: Otavio Mangabeira (UDN) e Medeiros Neto (PTB). Certa vez, Mangabeira fez comício em uma cidade onde, horas antes, estivera o adversário. Depois que ele falou, um gaiato gritou a provocação, no meio da praça:
– Ouvi seu discurso, o do Medeiros Neto e decidi: vou votar em branco!
Mangabeira olhou para a cor de sua pele, no braço, depois para o cartaz de Medeiros Neto e devolveu, arrancando gargalhadas:
– Vai ser difícil!…

Assuntos desta notícia


Join the Conversation