Agentes de Vigilância em Saúde protestam na Aleac

JORGE NATAL

Cerca 100 de agentes de Vigilância em Saúde (AVS’s) fizeram ontem um protesto na Assembléia Legislativa. Demitidos por força de contratos provisórios, eles pediram apoio dos deputados. O comunista Eduardo Farias se prontificou em intermediar uma reunião entre a secretária de Saúde, Suely Melo, a diretora do Pró-Saúde, Izilda Carlota Grasso, e uma comissão formada pelos AVS’s.   

A dispensa dos agentes, que foram contratados para participar da campanha ‘Guerra Contra Dengue’, deixou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sintesac), José Correia Daniel, indignado. “São pais e mães de famílias”, disse ele, sugerindo que os agentes fossem ‘aproveitados’ no combate à malária, à doença de Chagas, à Leptospirose e à Leishmaniose. “E a dengue vai voltar no inverno”, acrescentou Daniel.

Contratados pela paraestatal Pró-Saúde, os agentes receberam o aviso prévio na semana passada e ficam no cargo até o dia 31 deste mês, de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A assessora técnica de gabinete da Sesacre, Marise Lucena, informou que a Secretaria Municipal de Saúde vai contratar, em setembro, 60 novos agentes para o seu quadro efetivo.

Um dos agentes dispensados, Paulo Vitor de Moraes, diz que 25 deles foram demitidos ‘ilegalmente’, uma vez que prestaram concurso efetivo em 2009. Ele disse que foi avisado da demissão pelo seu chefe de campo.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation