Arrecadação do Acre cresce 186% em 8 anos e deixa o Estado mais independente da União

O Acre foi um 5 dos estados brasileiros que mais se destacaram na ampliação do volume de arrecadação dos seus impostos (principalmente ICMS e IPVA) nos últimos 8 anos.
Arrecadao
Com efeito, o crescimento nos tributos recolhidos pelo governo acreano entre janeiro de 2003 até dezembro de 2010 foi 186% maior do que o valor entre 1994 a 2002.  Além do Acre, completam o top 5 do boom de arrecadação Amapá, Roraima, Rondônia e Mato Grosso do Sul.

Os principais fatores que motivaram esta alta excepcional na arrecadação do Estado foram os elevados ritmos de crescimentos populacionais, de poder de consumo e dos ganhos de eficiência por parte da gestão tributária do Governo do Acre.

O volume de arrecadação quase 3 vezes maior representa, conseqüentemente, um número bem maior de investimentos do Poder Administrativo. Além disso, significa que o Estado foi um dos que mais reafirmaram a sua independência dos repasses do Governo Federal no período destacado, o que o torna mais autônomo e auto-suficiente com seus recursos.

Junto com o Acre, outros 13 estados (em especial do Norte e Nordeste) se destacaram no aumento de suas arrecadações. Este grupo fez com que os rapasses da União perdessem peso nos últimos 8 anos. Por exemplo, as transferências correntes – que formam a maior parte da receita do Governo Federal – cresceu apenas 55% no período, enquanto em épocas anteriores tal percentagem já chegou a ser superior a 100% em intervalos de 8 anos.

A arrecadação maior de impostos de mais da metade dos estados brasileiros indica que as unidades federativas afastadas do eixo Sul/Sudeste foram as que mais se beneficiaram com os programas de benefícios sociais, políticas salariais e deslocamento de recursos do governo Lula, com destaque para o Bolsa Família e os reajustes no salário mínimo.

Vale ressaltar que quanto mais dinheiro é distribuído no bolso da população, obviamente mais é gasto e mais impostos sobre estes gastos são arrecadados pelos governos estaduais.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation