ESBR doa equipamentos à Funai para proteção de índios isolados

 O presidente da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), Victor Paranhos, e o presidente da Funai, Márcio Meira, assinaram em Brasília, nesta semana, um termo de doação. Nele, a ESBR entrega à Funai dezenas de equipamentos para proteção de índios isolados. A doação, no valor de R$ 409.500 inclui desde binóculos pra visão noturna até veículos (motos e caminhonetes), embarcações, receptores GPS, lanternas, mochilas cargueiras e coletes salva-vidas, entre outros equipamentos. O termo de doação faz parte dos compromissos sociais e ambientais assumidos pela ESBR quando recebeu a licença para a construção da Hidrelétrica de Jirau, no Rio Madeira (Porto Velho/RO).

“Este é um momento importante pra Funai porque evidencia que a empresa está cumprindo com as obrigações sociais e ambientais, atendendo todas as exigências do licenciamento ambiental” afirmou Márcio Meira, presidente da Funai. Segundo ele, a ação faz parte do Programa de Apoio às Comunidades Indígenas, desenvolvido pela empresa. E lembrou ainda que o país vive um novo momento, em que empreendimentos e grandes obras de infra-estrutura ocorrem acompanhados de um intenso programa de  obrigações por parte das empresas, como as compensações sociais e ambientais.

 O diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Energia Sustentável do Brasil, Antonio Jorge, ressalta a importância do trabalho que a Fundação vem desenvolvendo. E destacou que esse processo tem sido acompanhado de um intenso diálogo e participação das comunidades indígenas.

 As Frentes de Proteção Etno-Ambiental da Funai são responsáveis pelo trabalho de vigilância e proteção aos índios isolados e às terras que habitam. De acordo com o Coordenador-Geral de Índios Isolados (CGII), Elias Biggio, as Frentes não fazem contato com os grupos, o que requer da Funai ações intensivas para conter as invasões, permitindo assim a total autonomia dos povos indígenas isolados.

 Um diagnóstico elaborado pela CGII em 2006 resultou na identificação da existência de 68 referências de grupos de índios isolados nos estados da Amazônia Legal (Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima), com exceção de uma referência que está localizada em Goiás. Atualmente, existem 6 Frentes de Proteção Etno-Ambiental na Amazônia Legal, situadas no Acre, Amazonas, Mato Grosso, Pará e Rondônia, regiões onde existe o maior número de referências sobre índios sem contato. Essas Frentes são responsáveis por realizar ações de localização, proteção, vigilância e fiscalização, em uma área de 15 milhões de hectares.  (Assessoria)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation