Fecomércio cobra agilidade na construção de ponte sobre o Rio Madeira

O presidente da Federação do Comércio do Acre (Fecomercio/AC), Leandro Domingos, encaminhará, nesta semana, um documento ao governador do Acre, Tião Viana, pedindo a intervenção do poder público estadual junto aos órgãos federais, para acelerar a licitação para construção da ponte sobre o rio Madeira.

A ação será tomada após a realização de duas reuniões com a Fecomércio de Rondônia, que também solicitou o engajamento do governador Confúcio Moura e das autoridades daquela região, em busca de uma solução mais rápida para o problema que afeta diretamente a economia dos dois Estados.

Leandro Domingos destaca a preocupação dos empresários com o possível desabastecimento de mercadorias, caso se confirme a previsão de mais uma grande vazante no rio Madeira, que corta a BR-364 no Abunã, distrito de Porto Velho, a pouco mais de 250 Km de Rio Branco. Durante o verão amazônico, o nível de águas do rio diminui drasticamente, prejudicando a travessia já precária, feita por balsa, dos veículos de passeio e de carga que abastecem todo o Estado com produtos alimentícios e de outros gêneros.

Entre agosto e setembro do ano passado, as filas de caminhões chegaram a mais de seis quilômetros de extensão, e o tempo de espera para travessia, até 12 horas. Em Rio Branco, houve racionamento de combustível e muitos supermercados perderam cargas de alimentos perecíveis por causa da demora no transporte.

Apesar de o Acre ter sido o maior prejudicado, já que a BR-364 é a sua principal rodovia de abastecimento, a Fecomércio de Rondônia estimou uma perda de R$ 5 milhões, em 2010, para os empresários rondonienses.

Se nenhuma ação for tomada, teremos novamente problemas de acesso rodoviário, com provável desabastecimento e aumento de preços de alguns produtos. Também não podemos perder de vista a importância estratégica desta travessia para acesso à rodovia Transoceânica que, em breve, será inaugurada”, enfatizou Domingos.

Órgãos federais tomam medidas paliativas para garantir travessia
Enquanto o problema não é resolvido de forma definitiva, as Federações do Acre e de Rondônia mobilizam ações junto a diversos órgãos para garantir a navegação das balsas e a segurança mínima para o comércio e a indústria dos dois Estados.

Recente operação coordenada pela Marinha do Brasil, com apoio da Polícia Federal e Ibama de Rondônia, motivada pelas entidades empresariais, notificou várias dragas que operam com garimpo na região. Presume-se que estas dragas sejam as principais responsáveis pelo assoreamento do rio, que dificulta a passagem da balsa. Novas estratégias de operação estão sendo traçadas para que os equipamentos operem abaixo da travessia e não mais acima.

Como solução temporária, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) já garantiram também a transferência de um equipamento para dragagem imediata do rio, no trecho que liga Porto Velho a Rio Branco, de modo a garantir a navegabilidade. A medida é preventiva até que o Governo Federal efetive a construção da ponte.

No último mês de junho, o senador Jorge Viana se reuniu com o então diretor do Dnit, Luis Antônio Pagot,  e anunciou que a licitação para a obra sairá até o final deste do ano. O senador foi informado que o projeto foi revisto e terá um desenho parecido com outra ponte construída sobre o mesmo rio, em Rondônia. (Com informações da Fecomércio/Acre e do Jornal AcreEconomia)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation