Movimento indígena faz fórum sobre saúde

O Movimento Indígena Unificado (MIU), entidade que congrega todas as organizações das etnias do Acre, Sul do Amazonas e Noroeste de Rondônia, realiza desde ontem, no Anfitetro da Universidade Federal do Acre (Ufac), o I Fórum de Saúde Indígena da Região. O encontro é o primeiro evento mais importante depois que o movimento passou a reivindicar ações do poder público de forma mais incisiva.

 “O objetivo deste fórum é reunir e unir os que se dedicam à causa chamada saúde indígena. Queremos ter uma vida digna e de qualidade, uma vez que pretendemos compartilhar experiências e aprender mais uns com outros, representando nossas bases ativa e atuante”, comentou o representante da Aldeia Paroá (Feijó), Mário Huni Kui. Ele deseja construir uma ‘saúde indígena humanizada’.   

“Pelo descaso com a saúde dos povos indígenas, fator que vitimou dezenas de parentes, tivemos que ficar acampados por líderes 5 meses em frente ao prédio da Fundação Nacional de Saúde (Funasa)”, lembrou um dos principais organizadores do protesto, o presidente da Federação dos Povos Huni Kui do Acre, Ninawá Huni Kui.

“Este encontro terá vários temas, mas eu destaco o controle social e a aplicação de recursos públicos de saúde indígena. O primeiro porque é participação de nós, índios, no acompanhamento das ações públicas. O segundo é a ação propriamente dita, como a definição de prioridade e orçamentos”, destacou a índia Dalva Apurinã.   

Entre os participantes do evento estão o procurador da República, Anselmo Cordeiro Lopes, os representantes da Secretaria de Saúde do Estado e da Secretária Especial de Saúde Indígena (Sesai). Líderes estão denunciando dezenas de mortes nas aldeias, o que, segundo eles, poderiam ter sido evitadas se não fosse a ‘corrupção’, o ‘desinteresse’ e a ‘politicagem’.

Os índios protocolaram inúmeras denúncias no MPF contra os órgãos responsáveis pela saúde indígena. Também ocuparam as dependências do prédio da Funasa e Casa do Índio (Casaí), fazendo, inclusive, reféns. Pediram, ainda, a saída do chefe do chefe do Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena do Alto Purus (Dsei/Arpu), Raimundo Costa.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation