Após acusações, sindicatos vão realizar seminário sobre Segurança Pública

As entidades representativas dos policiais militares, civis e dos agentes penitenciários e sócio-educativos vão realizar, no final deste mês, um seminário sobre Segurança Pública no Estado. Esse será o primeiro evento, com este tema, promovido por sindicalistas. Os deputados estaduais major Rocha (PSDB) e Jamyl Asfury (DEM) estão apoiando o evento. Os organizadores pretendem trazer um especialista de renome nacional.
Sindicatos
O seminário é motivado por acontecimentos adversos aos quais passam os servidores da área. Acusações de espancamentos e torturas, sindicâncias, processos administrativos, prisões e até demissões rodam os quartéis, delegacias e unidades prisionais.

“Estamos vivendo um momento de caça às bruxas. Pelo que vem ocorrendo, passa a impressão de que os servidores públicos são os únicos responsáveis pela não efetivação de uma política de segurança conseqüente”, avaliou o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindap), Adriano Marques.

Recentemente, o Ministério Público Estadual (MPE) acusou 9 agentes penitenciários e 4 soció-educativos de agressão e tortura.  “Queremos que o MP cumpra a sua função constitucional, que é o controle da atividade policial, mas sem excessos. Será que a instituição está exigindo o cumprimento da lei 8.666 (licitações)? Por que os promotores e procuradores não se manifestam com relação à saúde e ao meio ambiente?”, questiona o presidente do Sindicato dos Agentes Sócio-educativos (Sintase), Betho Calixto.

“Uma verdadeira política de segurança, algo inexistente no Estado, precisa de investimentos não apenas em equipamentos. O policial civil do Acre está desmotivado pelo baixo salário e oprimido pela corregedoria”, disse um agente, que preferiu ficar no anonimato. A principal reivindicação da categoria é a efetivação de um piso nacional.

Durante o seminário, os líderes sindicais vão apresentar estatísticas que podem evidenciar ‘outras causas da violência’. De acordo com levantamentos do Ministério da Justiça, o Acre lidera o ranking nacional em população carcerária e está em 2º lugar em número de menores internos. “Também vamos fazer uma ‘reflexão’ sobre as 133 mil pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza no Acre”, acrescentou Adriano Marques.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation