Entra em vigor gratuidade para portadores de hepatites e câncer

Depois de derrubado o veto do prefeito Raimundo Angelim, a lei que concede a gratuidade nos transportes públicos aos portadores de hepatites crônicas e de câncer entrou em vigor. Agora, pacientes em tratamento que ganham até 2 salários mínimos não pagarão passagens nos transportes coletivos da Capital. “Finalmente. Essas pessoas merecem”, assim comentou o autor do projeto, vereador Alysson Bestene (PP). O Sindcol recorreu à Justiça para não conceder a gratuidade.
Onibus0709
A proposta e o veto foram aprovados por unanimidade pela Câmara Municipal. “Estamos profundamente agradecidos ao vereador, que atendeu a um pedido da nossa entidade”, disse o presidente da Associação dos Portadores de Hepatite do Acre (Aphac), Heitor Macedo Júnior, considerando o benefício como de ‘extrema necessidade’.

A grande dificuldade de locomoção – já que os beneficiados estão em estado de convalescia – é um dos principais problemas dos doentes. O deslocamento até o local onde se realizará o tratamento (com radio e quimioterapia), ou o simples fato de muitos pacientes não poderem se alimentar com dignidade, foi o que motivou Alysson Bestene e Heitor Júnior a encamparem o projeto.

“Além de fiscalizar os procedimentos políticos e administrativos da cidade, o papel de um vereador é propor políticas públicas de alcance social. Com a mesma intenção que propus a criação de creches nos bairros afastados, este projeto também beneficia aqueles que mais precisam”, destacou Alysson, cujo foco parlamentar é atuar em causas sociais.

O vereador destacou, ainda, a necessidade de mais organização dos munícipes. Ele cita a Aphac como exemplo. “Quando se tem uma entidade lutando por direitos e políticas públicas, o trabalho do parlamentar ficar mais fácil”, disse ele.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation