Reator que causou 2 ‘apagões’ em 12 Estados na semana passada não tinha seguro

O reator de subestação do Paraná que explodiu na sexta-feira (2), provocando apagão em áreas de 12 Estados, não tinha seguro. O prejuízo a ser debitado na conta de Furnas pode chegar a R$ 4,5 milhões. A decisão de cancelar a licitação para escolha de uma seguradora foi tomada pelo novo presidente da estatal, Flávio Decat.

Segundo a assessoria de Furnas, R$ 4,5 milhões é o preço do reator novo, e ainda não estaria descartada a possibilidade de recuperar o equipamento avariado. A empresa alega ainda que, mesmo se a licitação para contratar a seguradora tivesse prosperado, a franquia seria superior ao dano em questão.

Explosão – De acordo com o Boletim Diário da Operação, do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o reator explodiu às 16h43, devido a presença de um gás no equipamento.

A falha provocou o desligamento automático das quatro linhas de transmissão entre a hidrelétrica de Itaipu e Foz do Iguaçu, e parou toda a parte brasileira da usina –cerca de 5.700 MW.

Foi acionado o Erac (Esquema Regional de Alívio de Carga), o que reduziu a perda de carga para 2.586 MW, mas afetou companhias de distribuição do Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Rondônia e Acre.

Inicialmente, o ONS não havia incluído Mato Grosso do Sul na lista, mas a informação foi retificada.

A retomada completa do sistema ocorreu somente às 19h13, segundo o ONS, mas a linha de transmissão do reator danificado só foi religada às 4h46 do sábado, após a conclusão de reparos.

A causa da explosão ainda está sendo investigada por Furnas. (Agência de Notícias de Floripa)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation