Comerciantes informais ganham créditos bancários de 5 mil reais

Aos poucos a vida de 1.800 camelôs e feirantes que atuam em Rio Branco vai sendo modificada e os pequenos empreendimentos desses trabalhadores vão se expandido e saindo da informalidade para se tornarem negócios rentáveis.
Governador1009
No Acre, essa expansão está sendo possível devido ao programa executado pela Secretaria de Estado de Pequenos Negócios (Sepn) em parceria com o Banco do Brasil, prefeitura e Sebrae que possibilitou o acesso ao crédito bancário no valor de R$ 5 mil exclusivo para esta categoria, com juros abaixo do praticado pelo mercado e com parcelamento em até 60 vezes.

Na manhã de ontem, 9, durante solenidade realizada na agência do Banco do Brasil localizada no bairro 15, na Via Chico Mendes, o governador Tião Viana e demais autoridades participaram da entrega de cartões bancários que beneficiaram, neste início, 35 camelôs.

O comerciante Pedro Cunha Nascimento, que há 10 anos trabalha com a venda de confecções, foi um dos camelôs que receberam seu cartão. Ele revela que o crédito já tem destino certo.

“Vou utilizar esse dinheiro para aumentar o meu estabelecimento e para comprar mercadorias em São Paulo e revendê-las aqui. O importante é saber que tem que utilizar bem esse dinheiro para gerar mais renda”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Camelôs e Feirantes da capital, Edigley Rosendo, o Edi Celular, comemora a mudança na vida de seus companheiros.

“Agora o nosso sonho é real. Esse é o pontapé inicial desse novo momento. Trinta e cinco pessoas já receberam seus cartões e todos sabem exatamente o que vão fazer com esse dinheiro. O Governo do Estado está tratando os camelôs de maneira digna, como nunca tínhamos sido tratados”, observou o sindicalista.

O superintendente do banco, José Carlos Salerno, explica que o crédito cedido aos feirantes e camelôs faz parte de uma linha de financiamento especial do Banco do Brasil conhecida como DRS (Desenvolvimento Regional Sustentável), uma estratégia negocial da instituição financeira que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento sustentável das regiões onde o Banco atua.

O governador Tião Viana ressaltou que esse novo horizonte que surge traz consigo uma oportunidade que será traduzida em empregos que geram salários e, por conseguinte, geram compras. Tião destacou que a economia informal tem força no mundo inteiro, mas nota que os comerciantes desse setor não investem na formalização de seus negócios porque, em alguns casos, a margem de movimento não é suficiente.

“Com uma atividade dessas, que permite acesso ao crédito, as pessoas se identificam e passam a ter crédito, comprar de maneira regular, em maior escala, a vender e gerar empregos. Assim, o pequeno se torna um gigante. O camelô se torna alguém que abre oportunidade para a vida do país”, declarou. (Agência Acre)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation