Primeiro projeto industrial da ZPE/AC será analisado na próxima semana, em Brasília

Animadora. Assim foi a reunião realizada na Fieac, na noite da última quinta-feira, com o secretário executivo do Conselho das Zonas de Processamento de Exportação (CZPE), Dr. Gustavo Sabóia, empresários do setor produtivo e do secretário de Indústria, Edvaldo Magalhães. Na oportunidade, Sabóia falou sobre ‘O programa brasileiro da ZPE e a do Acre’, citando os principais benefícios e vantagens das empresas que se instalarem no referido condomínio industrial.
Sasai
“O diferencial do Acre é que a ZPE daqui foi criada de acordo com os ditames legais – ao contrário das outras 22 que também tiveram suas criações aprovadas. Por isso, a Zona de Processamento de Exportação acreana está levando vantagem sobre as demais”, disse o secretário executivo da CZPE, informando que na semana que vem o referido Conselho que ele coordena analisará o primeiro projeto industrial do Acre.

O secretário Edvaldo Magalhães disse que os empresários não precisam ter receios de se instalarem na ZPE, pois, se não acreditasse no Projeto, o governo não investiria tanto. “No início, os investimentos eram de R$ 15 milhões, mas já vamos pôr mais R$ 10 milhões. Os valores incluem as despesas com a desapropriação da área, as obras civis, mobiliário, equipamentos de informática e de segurança e o software de gestão, que também deve ser homologado pela Receita Federal. Acreditem: seremos a primeira ZPE a funcionar no Brasil”, afirmou.

Durante sua fala, o presidente da Fieac, Carlos Sasai, foi enfático ao pedir ajuda ao Ministério de Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC). “Precisamos de informações de mercado – principalmente dos países da América do Sul, para que os empresários possam conhecer as reais demandas e, assim, investir nesses setores. Seria interessante se o Ministério nos ajudasse”, solicitou Sasai.

A reivindicação do presidente da Fieac de pronto foi atendida pelo secretário do CZPE. “A Apex Brasil comprou do Banco Mundial relatórios que detalham as principais demandas destes países. Isso poderá nos ajudar bastante. Além disso, temos um recurso do BNDES para realizar uma pesquisa que identifica as principais vocações da região. E, o Acre será o primeiro benefi-ciado”, informou Sabóia.

Situação atual – Na próxima terça, 20, o secretário Edvaldo Magalhães entrará com o pedido de alfandegamento da ZPE do Acre junto à Receita Federal. Logo após a aprovação do pedido pela Receita Federal, que deve acontecer num prazo máximo de 60 dias, as empresas interessadas em se instalar na ZPE do Acre poderão apresentar seus projetos, que serão analisados pelo Conselho Nacional. (Ascom Fieac)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation