A luta continua!

Nunca antes no Estado do Acre, mais precisamente na Capital Rio Branco, nem quando a luz era movida a óleo diesel, no gerador, e só era fornecida das 4 da tarde até as 11 da noite, tivemos tantas dores de cabeça com as interrupções de energia.

O que vem acontecendo, nos dias de hoje, é inadmissível quando levamos em conta a tecnologia e a modernização do sistema de distribuição energética atual.
Modernizaram, modernizaram, disseram que a energia ficaria mais barata, mais acessível e o que estamos vendo?! Energia que falha, que oscila, que queima equipamentos e muito, muito cara!

Disseram que nossa energia tinha que ser limpa, gerada por hidrelétricas, que óleo diesel era muito poluente e caro e por isso precisa-ríamos do linhão. Com o linhão, te-ríamos energia de qualidade com um preço diferenciado mesmo que essa energia percorresse centenas de quilômetros para chegar ao Acre. Nada disso aconteceu!

O que vemos na nossa conta de luz é um atentado à nossa inteligência.

Paguei no último mês R$ 108, 23 de energia, R$ 100,66 de tributos, R$ 9,19 de encargos setoriais e R$ 136,00 de distribuição! Pagamos mais pela distribuição da energia do que pela própria energia! Pagamos quase o mesmo preço da energia em tributos federais e estadual!

O maior tributo, todos já sabem, é o ICMS. Imposto recolhido pelo Estado. Há 84 dias, no dia 9 de junho, o Movimento Popular Menos Impostos, Mais Energia entregou um documento pedindo a redução e a mudança na forma de cálculo do ICMS da conta de luz no gabinete do governador. Estamos esperando até hoje o resultado de um estudo que a Secretaria da Fazenda estadual iria fazer para ver o impacto dessa medida nos cofres do governo.

Certamente terá impacto. É um dinheiro “certo” que cai nos cofres públicos mas continuo insistindo que é preciso deixar de ganhar um pouco agora para viabilizar o Acre do futuro.

Não se pode crescer e prosperar com energia cara e sem qualidade.

Nosso próximo passo será a Audiência Pública da Luz no dia 15 de setembro, às 14h, no auditório da Assembléia Legislativa com a Comissão de Legislação Participativa.
A luta continua!

Eliane Sinhasique é jornalista, radialista e publicitária
@sinhasique

Assuntos desta notícia


Join the Conversation