Política Nacional 23/12/03

“Até reunião ministerial atrasa no Brasil”.
Ministro Aldo Rebelo (Esporte) sobre atrasos
nas obras da Copa do Mundo de 2014.

Dilma sinaliza que não se importa com reeleição
A atitude de Dilma é de quem não disputará a reeleição. Suas broncas que impressionam pela ferocidade, além de ministros, atingem aliados e “eleitores” importantes. Em recente visita ao Rio, ela embarcou com o governador e o prefeito num passeio que se tornaria desagradável, no teleférico de uma favela. Fechada a porta, ela se dirigiu a Sérgio Cabral tão asperamente que Eduardo Paes, sem saber o que fazer, colou o rosto na janela oposta, insinuando não testemunhar a cena degradante.

Nordestino reagiu..
Ao contrário de Cabral, que não respondeu, o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), interrompeu a bronca áspera que ouvia de Dilma.

…exigiu respeito…
Olho no olho, Cid Gomes exigiu respeito, deu as costas e saiu da reunião. Surpresa, Dilma não reagiu, ficou pálida. Quase catatônica.

…ganhou solidariedade…
Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco, correu atrás de Cid e pediu que voltasse à reunião. Ou ele também não retornaria.

…e Dilma ficou gentil
Mais tarde, no almoço, Dilma afagou a cabeça de Cid Gomes, sentado, e perguntou: “Ainda está zangado?” Era Dilminha paz e amor de volta.

Rio
A SCMM Serviços de Limpeza e Conservação faturou R$ 2,4 milhões em 2010, em “contrato emergencial para contratação de porteiros” na Universidade Federal do Rio de Janeiro, do Ministério da Educação. A empresa é de João Alberto Barreto, dono da Locanty, denunciada por corrupção na Saúde e alvo de devassa. A Locanty também levou R$ 12 milhões num contrato com a Agência Nacional de Petróleo, em 2011.

Tem para todos
A SCMM também faturou R$ 670 mil no Ministério da Ciência e Tecnologia, e quase R$ 600 mil na Petrobras, em 2010.

Desobediência
A Defesa Civil do Rio ignorou o governador Sérgio Cabral e contratou a Ruffolo, denunciada no “Fantástico”, por R$ 483 mil, sem licitação

Sem comentários
Com 668.279 seguidores e assíduo no Twitter, o bilionário Eike Batista deu um tempo no microblog para evitar mais polêmica com o filho Thor.

Primeiro lugar
Pesquisa anual do Instituto FSB revelou que esta coluna é a favorita dos parlamentares do Congresso Nacional, com 68% das citações, seguida das colunas de Dora Kramer (66%) e Miriam Leitão (64%). Cada entrevistado foi solicitado a citar três nomes.

Não dá ideia
Denunciar e investigar é só começar: o tempo pode fechar de novo para o governador Sérgio Cabral se esmiuçarem os contratos com o amigão de Miami, Arthur Soares Filho, o “rei Arthur”, da Facility.

Mico dominical
O ministro Alexandre Padilha (Saúde) pode ser submetido a um mico, domingo (24), em Maringá (PR), ao inaugurar a Central do Samu: ambulân-cias entregues em 2010 estão paradas por falta de grana.

Furna da onça
Furnas Centrais Elétricas não se emenda: o Tribunal de Contas da União quer a relação dos contratados em lugar dos terceirizados. O rolo se arrasta há anos e já rendeu multa trabalhista de R$ 200 mil.

Sozinha no barco
O deputado Reginaldo Lopes (PT/MG) criticou a atitude dos ministros, que “ajudam pouco a presidenta Dilma” na crise com a base aliada no Congresso. Também acha que eles não ajudam a ministra Ideli Salvatti.

Regra não escrita
Sob a condição de tratar apenas de economia, o deputado Vaz de Lima (PSDB) aprovou convite ao ministro Guido Mantega (Fazenda) à Câmara. Mas os deputados são livres para perguntar o que quiserem…

Cumpra-se a lei
Advogados da União precisaram ir à Justiça para que a Advocacia Geral da União cumpra a lei. Agora, Justiça Federal mandou demitir todos os não concursados que ainda atuam nos ministérios como se fossem procuradores. A AGU, é claro, deve recorrer.

Trem doido
Para o líder do PR, deputado Lincoln Portela (MG), foi o “governo que derrotou o governo” ao condicionar a votação da Lei Geral da Copa ao Código Florestal: “Arlindo Chinaglia já pegou o trem descarrilhando”.

Pensando bem…
…Março é o Agosto de Dilma.

PODER SEM PUDOR

Caminho da felicidade

 Representante da Associação Amazonense de Municípios, Beto Mafra expôs na Comissão de Educação do Senado, esta semana, as razões pelas quais a bola da Copa deve se chamar Caramuri: é que se trata de uma fruta que só pode ser colhida de quatro em quatro anos.
Ao final da exposição, ofereceu um brinde à Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM). A senadora declinou e sugeriu que o mimo fosse oferecido a Roberto Requião (PMDB-PR). Constrangido, Mafra explicou que se tratava de uma camisa feminina. Requião não se fez de rogado:
– Sou heterossexual convicto, mas se, por força do destino, vier a me apaixonar por um rapagão, não terei o menor preconceito em seguir o caminho da felicidade…

Assuntos desta notícia

Join the Conversation