Haitianos aguardam no Peru decisão sobre vistos para Rondônia

Ao menos 273 haitianos que tentam migrar para o Brasil estão acampadados desde janeiro na cidade peruana de Iñapari, que tem cerca de 1.500 habitantes e faz fronteira com o município de Assis Brasil, no Acre. A espera já dura 77 dias.
Eles estavam a caminho do Brasil quando, no dia 12 de janeiro, o governo anunciou que o fluxo de haitianos ao país seria regularizado. Pela resolução nº 97/2012, do Conselho Nacional de Imigração (CNIg), ficou definido que a Embaixada do Brasil no Haiti passaria a conceder 100 vistos de trabalho ao mês para haitianos que quisessem morar no país.

Paralelamente, a Polícia Federal passou a impedir a entrada de haitianos sem vistos. Como saíram do seu país sem a permissão e viajam sem o visto, os 273 haitianos passaram a viver na cidade de Iñapari. Para chegar à fronteira, o grupo enfrentou uma viagem que passou pela República Dominicana, pelo Panamá e pelo Equador.

“Não sabia que a fronteira estava fechada, achei que a cruzaria no mesmo dia”, disse Saint Germain Guerbem, de 24 anos. “Gastei todo o meu dinheiro na viagem e, mesmo que quisesse, não teria condições de voltar ao Haiti”. Guerbem, que queria chegar a São Paulo, tem dormido no coreto da praça central de Iñapari com dezenas de compatriotas, em sua grande maioria homens.
No grupo há também mulheres e crianças, que foram alojadas por moradores locais em suas casas ou em armazéns. Os restantes dormem espalhados pela cidade, sob qualquer cobertura que os proteja das frequentes chuvas, que inundaram Iñapari há duas semanas.

“Peço que os brasileiros nos ajudem a entrar, porque não podemos aguentar mais”, disse o pedreiro haitiano Facius Etienne, que foi escolhido líder do grupo. Segundo ele, as autoridades peruanas prometeram interceder ao governo brasileiro.

De acordo com Etienne, o grupo é formado por profissionais qualificados, como carpinteiros, eletricistas e torneiros mecânicos. Na expectativa de entrar, muitos estão fazendo aulas de português com uma professora voluntária de Assis Brasil. (Ariquemes On Line)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation