Profissionais de UTI do Huerb participam de capacitação para melhorar qualidade do serviço

Em torno de 80% dos pacientes apresentam sintomas graves entre 8 e 9 horas antes de ir a óbito. A informação é considerada relevante para prevenir a morte de pacientes dentro das unidades de saúde e serve de parâmetro para o diagnóstico correto que pode salvar vidas.

Para aprimorar esse serviço, profissionais médicos, enfermeiros e fisioterapeutas da UTI do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) participaram de 9 a 11 de março dos cursos de Suporte Básico em Cuidados Intensivos e Suporte Básico de Vida (BLS).

As capacitações foram oferecidas como parte do Programa de Aprimoramento de Qualidade Assistencial em Terapia Intensiva (Qualiti) do Hospital do Coração de São Paulo (HCor) em parceria com o Ministério da Saúde e Governo do Estado.

A UTI do Huerb é uma das 18 unidades do SUS de 10 Estados brasileiros tuteladas pelo projeto cujo objetivo é reduzir as taxas de infecção e mortalidade dos pacientes, manter indicadores positivos de recuperação e estimular boas práticas em gestão hospitalar.

O intercâmbio entre o HCor e a UTI do Huerb proporciona a troca de experiências por meio de videoconferências realizadas a cada três semanas integrando a rede de unidades participantes do projeto, acesso ao sistema Up to Date – programa que possui conteúdo médico com 9 mil tópicos em 17 especialidades via internet -; cursos teóricos e práticos e palestras presenciais. Durante os cursos realizados no fim de semana, os profissionais puderam fazer estudo de caso e aplicar na prática o conhecimento discutido nas aulas.

“O objetivo dessa parceria é oferecer revisão dos princípios fundamentais de terapia intensiva para aumentar o sucesso do trabalho dos profissionais e diminuir o índice de morbidade nas UTIs”, explica um dos coordenadores do programa, o médico epidemiologista e pequisador do Hcor, Alexandre Biasi Cavalcanti, que ministrou o curso em Rio Branco junto com a médica Ana Denise Zazula. No Acre, o Qualiti é desenvolvido desde 2010 com direcionamento voltado para alcançar nível de excelência no atendimento de terapia intensiva.

O desempenho das UTIs é observado com base nos indicadores que norteiam as intervenções para o aprimoramento da assistência. “É um projeto de extrema importância para o Estado porque permite a troca de informações com um grande centro médico”, avalia a médica Márcia Vasconcelos, uma das coordenadoras do projeto no Estado. (Agência Acre)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation