Unhas encravadas: como tratá-las

Segundo o dicionário Merck denomina-se unha encravada ou onico-criptose o crescimento lateral excessivo da unha dentro da dobra ungueal. Ocorre devido à margem lateral da unha, agir como corpo estranho, pressionando e empurrando a pele do canto da unha para dentro.

A inflamação é mais freqüente nos “dedões” dos pés e causam desconforto, dor, inchaço e vermelhidão. A dor local, que pode inicialmente ser de forma leve, vai aumentando de intensidade e, às vezes se torna insuportável.
Além disso, a eliminação de pus e a formação de um granuloma piogênico (carne esponjosa ou carne crescida) são bastante comuns.

CAUSAS
As possíveis causas da unha encravada incluem: uso de meias ou sapatos apertados; cortar a unha muito curta, e ao crescer, seus cantos penetram na pele; pressionar os dedos contra o sapato ao parar subitamente, principalmente ao praticar esportes como tênis e basquete; e o uso de unhas de tamanho maior que o normal.
No entender de alguns autores o que pode também facilitar o encravamento das unhas é o uso de sapatos de pontas finas. No caso de crianças recém-nascidas, o uso de macacões com pés fechados e apertados podem ocasionar o problema.

TRATAMENTO COM ÓRTESES CORRETIVAS
O tratamento varia de acordo com a intensidade de cada caso. Autores indicam que o tratamento da unha encravada já pode ser realizado através da utilização de Órteses Corretivas, ou seja, um aparelho metálico que possui uma mola ou elástico para tração a fim de corrigir o formato da unha forçando-a até atingir o formato ideal. Contudo, para o desenvolvimento desse processo alguns passos devem ser seguidos:

O primeiro consiste em tratar a infecção, fazer o corte técnico correto da unha e a remoção de calosidades (peles) nas laterais.

Já o segundo passo, compreende tratamento com a utilização propriamente dita, das Órteses Corretivas, que tem como principal função corrigir e/ou adequar o formato das unhas desde a raiz, de modo a evitar o aprofundamento na carne.

Quanto aos tipos de Órteses Corretivas, estas podem ser de dois tipos: metálicas e fibras moleculares.

Metálicas – são confeccionadas com material ortodôntico (bracket) tracionados por um fio de aço para apoio que são colocadas nas unhas.

Fibras Moleculares (Clip System) – são pequenas lâminas de resinas que são colocadas nas unhas.

Segundo a literatura, o processo de tratamento é lento e progressivo, pois abrange várias etapas e exige manutenção mensal. O prazo de tratamento pode variar de cinco a seis meses, dependendo do problema particular de cada pessoa.

Vale acrescentar que para o sucesso do tratamento é prudente que as pessoas sigam as recomendações médicas, devendo ainda, submeter-se aos procedimentos necessários.

TRATAMENTO COM A ELETROCIRURGIA
Outro recurso que vem sendo muito utilizado e com bastante êxito no tratamento da unha encravada diz respeito a eletro cirurgia, a qual é realizada através de um aparelho de radiofrequência.

O aparelho de radiofreqüência segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica – SBCD é um emissor de elétrons, que ao contato da ponteira com a lesão, implode a célula, destruindo o tecido.

Tal como indicam Bergmann, Linhares e Barcelos (2012), o tratamento com radiofrequência é indolor, não invasivo e não ablativo. É acompanhado por uma sensação de intenso calor e eritema moderado que é mantido por algumas horas, sendo que, o aquecimento do tecido induz o aparecimento de vasodilatação local e estímulo à formação de novo colágeno (neocolagênese).

TRATAMENTO CASEIRO
Considerando a inacessibilidade das pessoas que sofrem com unha encravada a esses meios mais sofisticados de tratamento, alguns recursos caseiros geralmente são acessados. Um desses recursos inclui os seguintes passos:

* Colocar o pé de molho em água morna com sabão durante 5 a 10 minutos, de uma a três vezes ao dia,
* Levantar o canto da unha delicadamente,
* Colocar um pequeno pedaço de algodão embebido em solução anti-séptica ou antibiótico tópico, embaixo do canto da unha,
* Repetir diariamente essas três etapas até a unha começar a crescer corretamente e aliviar a pressão (nesse período devem-se usar sapatos folgados).

Em muitos casos um tratamento domiciliar é o suficiente para curar as unhas encravadas. No entanto, quando o tratamento em casa não funciona, o cliente procura um médico e este por sua vez, remove cirurgicamente a parte problemática da unha.

Alguns autores recomendam que a extração da unha deva ser evitada, pois quando ela voltar a crescer, pode encravar novamente.

PREVENÇÃO
Vale ressaltar que a prevenção da unha encravada pode ser realizada através da adoção de algumas medidas simples tais como: cortar a unha reta; não deixar os cantos mais curtos que o centro da unha; lixar os cantos da unha após cortá-la; usar meias e sapatos confortáveis; não usar sapatos de saltos altos e bicos finos; não puxar as peles dos cantos dos dedos, e consultar o podólogo para aprender como e qual a melhor maneira de cortar as unhas.

IMPORTANTE!
Conforme asseveram a maioria dos autores consultados, em pacientes diabéticos ou com problemas circulatórios a unha encravada requer cuidados especiais, já que esses têm menor sensibilidade na região e a unha encravada pode atingir estágios avançados da enfermidade.

* Terezinha de Freitas Ferreira é doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo – USP. Professora do Centro de Ciências da Saúde e do Desporto da Universidade Federal do Acre/Ufac. Consultora Editorial da Revista Brasileira em Promoção da Saúde da UNIFOR e Revista de Saúde.Com., da UESB.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation