Política nacional 08/04/2012

“É impossível ser esse ano”.

Presidente da Infraero, Gustavo Vale, descartando novo leilão de aeroportos em 2012.

Governadores querem abafar CPI de Cachoeira
Com as ramificações do escândalo envolvendo Carlinhos Cachoeira se estendendo a outros partidos, governadores e prefeitos têm acionado lideranças na Câmara na tentativa de abortar a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigará as tratativas do bicheiro. Eles temem que a “politização das investigações” prejudique candidatos e alianças fechadas para as eleições municipais deste ano.

Nome sujo
Autor do requerimento para criar a CPI, Protógenes Queiroz (PCdoB) garante ter amplo apoio dos líderes: “A Câmara precisa limpar o nome”.

Segundo inquérito
Disputam a relatoria da CPI de Cachoeira os tucanos Fernando Francischini, delegado da PF, e Carlos Sampaio, promotor de Justiça.

Interessados
No PMDB, já declararam interesse em participar da CPI os deputados Fábio Trad (MS), Íris de Araújo (GO) e Francisco Escórcio (MA).

DEM tá dentro
O deputado Pauderney Avelino, um dos primeiros do DEM a assinar requerimento pela criação da CPI, também quer uma vaga.

PM finge que trabalha
O governo petista do DF enfrenta grave problema de falta de comando e até de indisciplina na Polícia Militar, e a Secretaria de Segurança Pública já percebeu: a pretexto da “operação-tartaruga” que pressiona por melhores salários, embora já sejam os mais bem pagos do país, os PMs ficam aquartelados quando estão escalados, e saem às ruas apenas os que recebem adicio-nal de R$ 250 por dia para trabalhar na folga. Como estes são minoria, quase não se vêem policiais nas ruas.

Enganação
A PM não registra ausência de policiais ao trabalho, e divulga que “tudo está dentro da normalidade”, mas na prática a teo-ria é outra.

Celebração do crime
A cada recorde na criminalidade, os chefes da “operação-tartaruga” da PM-DF insulta a população com emails de comemoração aos jornais.

Coisa de bandido
O secretário de segurança do DF, Sandro Avelar, não se conforma com PMs comemorando a criminalidade no DF: “Isso é coisa de bandido”.

Decadência
A indicação de Marta Suplicy para embaixada em Washington revoltou diplomatas de carreira, que sem padrinho levam 15, 20 anos para alcançar posto tão cobiçado, e já teve nomes como Joaquim Nabuco, Oswaldo Aranha, Roberto Campos e Marcílio Marques Moreira.

Família estatal
O nepotismo voa na Infraero: documentos em poder da Coluna mostram filhas, irmãos e sobrinhos de diretores e gerentes em meteóricas promoções salariais de quase 100%. A contratação de consultoria para reestruturação dorme há 1 ano na gaveta.

Ponto de encontro
Para o vice-presidente da Caixa, Geddel Vieira Lima (PMDB), o deputado Antônio Imbassahy (PSDB) pode ser o “ponto de encontro” das oposições nas eleições municipais para a capital baiana.

Na torcida
Líder do PSD, Guilherme Campos (SP) diz estar “bem encaminhado” o acordo para o secretário de Educação, Alexandre Schneider, ser o vice de José Serra em São Paulo: “Ele tem a confiança do candidato”.

Cerco no tráfico
O vice-presidente Michel Temer e os ministros Celso Amorim (Defesa) José Eduardo Cardoso (Justiça) organizam para os dias 14 e 15 de maio a operação Ágata 4, que combaterá o tráfico de drogas em Oiapoque (AP), Tiriós (PA), Boa Vista e Surucucu (RR) e Manaus (AM).

Na caixinha
A Secretaria de Direito Econômico, do Ministério da Justiça, vai investigar cinco fabricantes de laticínios do Rio Grande do Sul por suposto cartel do leite C: preços iguais e aquele gosto de água…

Paradise lost
Diante da avalanche de pedidos de vistos, a embaixada dos EUA decidiu dificultar um pouco para os brasileiros, além de subir o preço: antes em português, o formulário on-line DS-160 voltou a ser em inglês.
 
Preconceito amarelo
Empresários brasileiros voltaram à China certos de que os US$ 1,4 trilhões depositados no Banco de Desenvolvimento local para investimentos no exterior teriam o Brasil como preferência não fosse o preconceito do governo pela compra de terras por chineses.

Façam suas apostas…
Carlinhos Cachoeira garante: neste domingo de Páscoa, vai dar coelho.

PODER SEM PUDOR
Confissão a jato
Joaquim Felizardo era um velho militante e foi logo preso, no golpe de 1964. Aguardava a vez de ser interrogado no corredor do Dops, ao lado de outro suspeito de ser comunista, um advogado gay, quando o delegado gritou:
– Tragam o pederasta e o comuna!
Progressista, mas nem um pouco politicamente correto, Felizardo deu um salto à frente para confessar rapidinho:
– Doutor, o comunista sou eu, hein?

Assuntos desta notícia

Join the Conversation