Política nacional 24/04/2012

“Deveriam proibir, prender, acabar com essa porcaria”.

Deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), desistindo de defender a legalização da jogatina.

Angolano mediou doação de Cachoeira a Lula
Ex-assessor e amigo do peito de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda do governo passado, Rogério Buratti, que pode ser convocado à CPI do Cachoeira, apontou o angolano Roberto Kurzweil como intermediário da suposta doação de R$ 1 milhão à campanha presidencial em 2002, sob o compromisso de o presidente legalizar os bingos. O doador, disse Buratti, foi o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Caixa dois
A doação de Cachoeira, que revelou Rogério Buratti à CPI dos Bingos, seria para o caixa dois (“recursos não contabilizados”) da campanha.

Jogo da memória
Na operação Xeque-Mate da PF, até Vavá, irmão de Lula, se enrolou nos bingos de Dario Morelli Filho, compadre preso do ex-presidente.

Cala-te boca
Lula vai acabar emudecendo de tanto falar com visitas políticas, entre as sessões fonoaudiologia. Ele “travou” num comício, no início do mês.

Número emblemático
Falha grotesca da Caixa no sorteio de sábado da loteria federal: os bilhetes comemoravam os “51 anos de Brasília”. Eram 52.

Sobrou para o Itaú
Poderia ser pior. Anos atrás, a família Eskenazi contraiu dívida de US$ 280 milhões com o Itaú da Argentina para ficar dona de 25% da YPF. Depois da reestatização da petroleira, os Eskenazi decidiram pedir que o governo de Cristina Kirchner também leve junto esta dívida. O Itaú está pensando em jogar a dívida para a coluna de pre-juízos. Cobrar, nem pensar. Pensando bem, é muito melhor baixar o juro no Brasil.

Paraíso da chuva
Arrasadas por inundação, as paradisíacas ilhas Fiji, no Pacífico Sul, receberam doação de R$ 50 mil do governo brasileiro para sair da lama.

Também quero
Estado que conhece a pobreza, o Piauí pressiona para a votação do projeto que redistribui royalties do petróleo entre estados e municípios.

Voz da experiência
O DEM escolheu Onyx Lorenzoni (RS) para integrar a CPI mista do Cachoeira. Ele teve destacada participação na CPI dos Correios.

Criadores de dificuldades
Ao autorizar em 2008 o shopping Iguatemi JK, a prefeitura paulistana de Gilberto Kassab exigiu “contrapartidas viá-rias”, mas só as definiu quando a obra estava quase pronta. E vem criando dificuldades para autorizar a abertura do shopping, com 200 lojas e 3.800 contratados.

Vai que é tua
Como queria o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, o senador Rodrigo Rolemberg (DF) ficou fora da CPI do Cachoeira. Representará o partido a senadora Lídice da Mata (BA).

Indiciamento no Ecad
Relator da CPI do Ecad, órgão responsável pela arrecadação e distribuição de direitos autorais, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) pedirá o indiciamento de José Antônio Perdomo, superintendente da União Brasileira dos Compositores e de mais 20 membros e dirigentes.

Via Sedex
Presidente do Conselho de Ética, o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) não tem expectativas de que Demóstenes Torres (GO) se defenda pessoalmente: “Ele pode mandar até por correio”.

Roda da fortuna
Após ganhar licitação idêntica na Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro, empresa vendeu para o Tocantins simulador de estande de tiros por R$ 840 mil. O aparelho completo custa US$ 40 mil nos EUA.

Desculpa esfarrapada
Em Brasília, o advogado Celso Lemos chamou de “verdadeira desculpa esfarrapada” a versão oficial de que advogados vazam de grampos da PF. E duvida da afirmação do ex-ministro da Justiça Luiz Paulo Barreto de que já viu advogados agindo assim. “Viu nada!”, desafia Lemos.

Caindo aos pedaços
Na despedida da peça “Sem Pensar”, domingo, na Sala Martins Pena, casa cheia, a atriz Denise Fraga elogiou o público de Brasília, mas lamentou a péssima conservação do teatro. Foi aplaudidíssima.

Pena de morte
Nove em dez comentários de internautas sobre a notícia de que um ladrão foi morto a tiros pelo dono de uma casa, em Brasília, repisaram a frase do ex-delegado Mariel Mariscot, que nos anos 70 ficou famoso por organizar o Esquadrão da Morte: “Bandido bom é bandido morto”.

Pergunta no hospital
Agora que o tratamento contra o câncer acabou, afinal, o ex-presidente Lula dá ou recebe consulta no Sírio Libanês?

PODER SEM PUDOR
Longe é melhor
Jânio Quadros só perdeu no Maranhão, na disputa presidencial de 1960 com Henrique Teixeira Lott, graças ao apoio que o pesadíssimo marechal recebeu do cacique Vitorino Freire.
Um pouco antes da eleição, um repórter perguntou a Vitorino:
– Há perigo de o Jânio ganhar no Maranhão?
Ele não precisou pensar muito para responder, convicto:
– Perigo existe. Basta que o Lott volte duas vezes ao Maranhão.
Não voltou e venceu.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation