1ª capacitação de coordenadores dos fóruns de segurança pública

 Após a instalação dos Fóruns Regionais de Segurança Pública na capital e no interior, a Secretaria de Estado de Segurança Pública realizou a capacitação dos coordenadores eleitos, com o objetivo de proporcionar a mediação da construção de instrumentos necessários para o trabalho junto às comunidades das cinco regionais de polícia. A capacitação foi realizada ontem e contou com a presença de delegados, comandantes e representantes das comunidades.

 Ermício Sena, coordenador estadual dos fóruns e Secretário Adjunto de Segurança Pública falou que com essa capacitação, o combate à criminalidade será mais efetivo. “Essa capacitação é o segundo momento da instalação dos fóruns de segurança que aconteceram ano passado. Vamos capacitar os coordenadores para os fóruns comunitários, onde eles vão construir uma ferramenta de diálogo com os comandantes e delegados das regionais de polícia. Essa ferramenta é um mapa da criminalidade, observada pelo ponto de vista da sociedade. Eles vão poder mapear para dialogar como nós pensamos sobre a segurança pública a cerca do que é visto de mais importância para o combate à criminalidade. No primeiro momento iremos fazer a capacitação na capital e a partir de maio irá acontecer nos demais municípios do Estado”.

 O diretor-presidente do Deracre Marcos Alexandre foi um dos palestrantes do evento. Ele explicou que com as melhorias na infraestrutura dos bairros, a ação policial será realizada com mais facilidade. “É uma atitude louvável da secretaria de segurança envolver a comunidade em ações de segurança. Vamos apresentar as ações de infraestrutura na cidade, principalmente o programa Ruas do Povo, porque nós sabemos que uma vez garantido o acesso com a pavimentação e saneamento, conseguimos melhorar o rendimento dos serviços públicos, principalmente no sistema de segurança”.

 Com a instalação desses fóruns, houve uma organização territorial para a identificação de cada espaço. “A organização territorial surge diante da necessidade dos órgãos que compõe o sistema de segurança pública de integrar as suas ações. Havia uma diferença que tornava as áreas de atuação incompatíveis e com a regionalização compatibilizou, permitindo assim a responsabilização dos agentes públicos responsáveis pelos indicadores de criminalidade em um determinado espaço, bem como identificar quais seriam os integrantes da comunidade que poderiam apoiar as ações das políticas públicas destinadas ao controle do crime”, informou Paulo Cezar, Coronel da Polícia Militar.

 A participação da comunidade também é importante para o projeto, disse Francisco Pereira, vice-presidente da União Municipal das Associações de Moradores de Rio Branco (Umarb). “Essa capacitação é uma inovação que ajuda muito as comunidades. A criação desses cinco fóruns faz com que a comunidade participe efetivamente das decisões e discussões da segurança pública. Eu acho que a comunidade é parceira nesse projeto, já está discutido e comprovado que a questão de segurança ela não depende só da polícia, mas também da comunidade. Na minha regional já fizemos três reuniões onde a comunidade participou”.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation