Acre teve perda de 580 postos de trabalho no mês de março

O último levantamento mensal do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) revelou que o Brasil gerou 111.746 novos postos de trabalho com carteira assinada em março deste ano. O número de novos cargos gerados é resultado da subtração do total de admissões (1.881.127)  menos o de demissões (1.769. 381) . Tal valor é 25,8% menor do que o saldo de fevereiro – que foi de 150,6 mil novos cargos. No entanto, o número de março é considerado ‘bom’, se comparado com o mesmo mês em 2011 (92,6 mil, ou seja, uma alta de 20,6%).  

Mas se o Brasil teve um desempenho relativamente ‘positivo’ no mês passado, o Acre não seguiu tal tendência. Segundo dados do Caged, apenas 11 estados puxaram os números nacionais para baixo, com saldos negativos. E o Acre, com um déficit de 580 postos de trabalho a menos, foi um deles. A queda em relação a fevereiro deste ano é significativa. Enquanto o mês retrasado teve 61 postos de trabalho celetistas gerados (saldo positivo), março tirou o equilíbrio do mercado acreano com 631 postos a menos.

Ainda assim, o saldo negativo não abala – pelo menos não tanto – o valor acumulado de empregos gerados no Acre, no acumulado dos últimos 12 meses. Do saldo de + 4.075 postos celetistas criados que havia em fevereiro, março abaixou o acumulado para + 3.495 postos.

O motivo de o balanço do mercado acreano ter sido negativo em março é devido à queda sazonal do comércio em tal mês (que não tem data especial altamente rentável) e ao desaquecimento de setores da indústria de transformação.  

Além do Acre os outros 10 estados com saldos negativos em nos mês passado foram: Sergipe (88), Amapá (139), Pará (146), Amazonas (761), Mato Grosso (806), Ceará (1.587), Maranhão (1.637), Paraíba (3.421), Pernambuco (8.186) e Alagoas (21 mil).

Assuntos desta notícia

Join the Conversation