Mulheres se reúnem em Rio Branco para escrever carta do Acre na Rio+20

Mulheres se reúnem em Rio Branco para escrever carta do Acre na Rio+20 Evely Dias O Brasil sediará a Rio+20, conferência da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável, de 20 a 22 de junho. A conferência irá reunir líderes do mundo todo para discutir meios de transformar o planeta em um lugar melhor, além de assegurar um comprometimento político renovado para o desenvolvimento sustentável, avaliar o progresso feito até o momento e as lacunas que ainda existem na implementação dos resultados dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável, com a abordagem dos novos desafios emergentes. Em Rio Branco aconteceu a pré-conferência.

Um grupo de mulheres se reuniu para discutir as formas de contribuição para o esboço da Carta do Acre, documento que será enviado para a conferência. Segundo Concita Maia, secretária de Políticas para as Mulheres, a carta irá mostrar o modelo de desenvolvimento sustentável do Estado. “O Acre já vem discutindo a sua participação na Rio+20, que é um evento importante para todo o planeta.

Nós, acreanas, estamos nos reunindo para garantirmos a nossa presença e para darmos visibilidade ao protagonismo feminino no processo de construção do socioambientalismo e na construção do modelo de desenvolvimento sustentável que o Acre é referência para o Brasil e para o mundo.

Iremos discutir a carta da Amazônia, que será apresentada no Rio+20 pelos governos dos Estados da Amazônia e nós iremos, aqui, neste evento, apreciarmos e darmos as nossas contribuições a este documento, que será levado para o evento oficial da ONU”. A carta será construída por vários grupos, explicou Magali Medeiros, diretora executiva da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema). “O Rio+20 vai discutir temas importantes junto com todos os governantes do planeta. A Amazônia Legal decidiu fazer uma carta com todos os Estados da Amazônia para ser entregue no evento. Hoje, estamos fazendo parte da construção desta carta durante a conferência. Vamos discutir com o grupo majoritário específico das mulheres. Além das mulheres, participam da construção da carta os jovens, trabalhadores rurais, empresários, movimentos sociais, governos locais. Vamos levar uma contribuição do Acre”, finalizou.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation