“A Frente Popular é uma página virada para o PP”, diz Gladson Cameli

 A decisão do Partido Progressista (PP) de sair da Frente Popular do Acre (FPA) e caminhar junto com a oposição, criou certa expectativa no meio político. Caminharia o PP com PSDB, PMDB ou teria uma candidatura própria à Prefeitura de Rio Branco, atuando como uma terceira via.

 Grande responsável pela saída do PP da Frente Popular, o deputado federal Gladson Cameli conversou com lideranças de vários partidos e fez questão de convidar dirigentes e filiados do partido para tomar uma decisão em conjunto.

 Em entrevista ao jornal A GAZETA ele fala sobre seu relacionamento com lideranças da Frente Popular, sobre a postura do PP nas próximas eleições e sobre seu futuro político.

 Cameli também faz um resumo de seu trabalho à frente da Comissão da Amazônia, afirmando que deixa a coordenação com o sentimento de “dever cumprido”. Confira a entrevista:

A GAZETA – O senhor e o seu partido, o PP, estão atualmente no centro das discussões em torno das próximas eleições. O fato de ter deixado a Frente Popular e aderido as fileiras da oposição valorizou mais o PP?

Gladson – Acredito que um partido que tem milhões de filiados em todo país, e foi, proporcionalmente a sigla que mais filiou pessoas em 2011, somando mais de mil novos progressista no nosso estado, deve ser respeitado por todos que compõem o cenário que se monta para as eleições municipais. O PP, além de ter história e ser um dos maiores partidos do Brasil e do Acre, sempre manteve-se leal aos seus parceiros. Temos hoje uma estrutura partidária construída na base de vários serviços prestados à sociedade acreana, basta resgatar a nossa história e então vereamos que as conquistas do Acre de ontem e de hoje têm a participação efetiva dos progressistas.

A GAZETA – A decisão do PP em apoiar a candidatura de Tião Bocalom (PSDB) não criará problemas com o PMDB, de Fernando Melo?

Gladson – Certamente que não, pois mesmo sendo o presidente do Diretório Estadual e deputado federal do PP, não tenho o direito de tomar decisões monocraticamente. Para apoiar Bocalom, ouvimos todos os presidentes dos 22 diretórios municipais e os pré-candidatos a vereador pelo PP. Não tenho o direito, mesmo admirando o Fernando Melo como um excelente gestor e uma pessoa humilde e trabalhadora, de ir contra a decisão e opinião da maioria. Esse foi um dos compromissos que assumi ao me tornar presidente do PP: ser democrático e fazer valer a decisão da maioria.

A GAZETA – Como é a sua relação atualmente com a FPA e seus dirigentes?

Gladson – Uma relação institucional, baseada no respeito que devemos ter pelas autoridades. Quanto a relação política, a Frente Popular é uma pagina virada na história do PP.

A GAZETA – Gladson Cameli é um nome que soa em várias conversas políticas como pré-candidato a cargos majoritários em 2014. Existe mesmo a ideia de uma candidatura ao Senado ou ao Governo do Estado?

Gladson – Veja bem, não podemos viver o presente antecipando um futuro que nem sabemos se chegará. O que tenho feito é trabalhado muito pelo Acre, e acredito que nossos ideais sempre serão motivados com base no que for melhor para o povo acreano. Tenho hoje, no segundo mandato, mais de R$ 50 milhões em emendas voltadas para o nosso estado, e isso é fruto de um mandato participativo, que não vem sendo feito somente com as minhas idéias, mas de todos aqueles que opinam sobre o que é melhor para cada município ou segmento da sociedade, independente de cores partidárias.

A GAZETA – O PP formalizou uma aliança com o PRP nas últimas semanas. Como será essa parceria para as eleições deste ano?
 
Gladson – Como todas as alianças que o PP fez ao longo de sua história, será baseada na lealdade, no trabalho e na força de uma unidade que vence todos os obstáculos. Queremos eleger o mais número de vereadores possíveis, e consolidar um projeto para o Acre como PRP e com todos que acreditam num futuro melhor para o nosso estado.

A GAZETA – O Acre foi vitimado por uma grande cheia este ano. Em Brasília, há um grande esforço para liberação de recursos para os municípios atingidos. Qual o seu papel nessa luta?

Gladson – Sempre tivemos disposição e vontade de trabalhar pelo nosso estado. Agora, com a situação que milhares de família enfrentaram e continuam enfrentando depois da cheia do rio Acre, ampliamos nossos esforços no Congresso Nacional, unimos a bancada, e fomos direto aos Ministérios e à Casa Civil para liberar o maior número de recursos possíveis.  Das minhas emendas, indiquei R$ 4,5 milhões. Os demais recursos somam mais de R$ 10 milhões enviados pelo Governo Federal. Também intensificamos as visitas ao Ministério das Cidades, através do nosso correligionário, Aguinaldo Ribeiro, para agilizar a liberação dos recursos de infraestrutura para vários municípios.

A GAZETA – Foi divulgado na imprensa que o senhor acionaria as agências reguladoras dos serviços de energia, telefonia, internet e aéreas, através de Ação Civil Pública para que prestassem melhor serviço à sociedade. Como está esta polêmica?

Gladson – O que acontece na verdade é que a sociedade está indignada, e eu, como representante da população no Congresso Nacional devo ser totalmente contra os abusos cometidos contra o consumidor acreano. Acredito que ações rigorosas devem ser executadas no estado do Acre para que serviços essenciais como energia, água, transporte e internet sejam levados à sociedade brasileira com preços justos e acessíveis. Por diversas vezes estive revindicando esses direitos junto as autoridades do Acre e em Brasília, realizando inclusive audiências na Câmara dos Deputados, na Comissão da Amazônia, com a Aneel, Anac e Anatel.

A GAZETA- O jornalista Cláudio Humberto destacou em sua coluna que o senhor está lutando para reduzir os preços das passagens para região Norte. Esse problema tem solução?

Gladson – Sim, pois estamos sendo vítimas de um abuso constante quando se trata da aviação aérea no Norte. Estamos chegando ao absurdo de pagar cerca de R$ 3.600,00 numa perna (uma passagem) para sair de Manaus para Rio Branco. Esses problemas são antigos, maltratam nossa população,que já é por demais humilde e nos coloca numa situação de desigualdades extrema já que o Acre é um estado pobre, economicamente falando, e precisa que as empresas aéreas compreendam isso. Estamos com uma audiência agendada com as empresas aéreas para acontecer este mês de abril na Comissão da Amazônia.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation