II Encontro de Marceneiros aponta os avanços do setor

MadereirosReunidos no Teatro dos Náuas, em Cruzeiro do Sul, 400 profissionais de todo Acre participaram do II Encontro de Marceneiros. Um ano após o primeiro evento, o tom foi de superação.

“Nós não tivemos mais problemas com acesso de matéria-prima”, disse o presidente da Associação dos Moradores do Bairro Bahia, José Cunha. Ele coordena a única marcenaria comunitária do Acre, a Marcenaria Comunitária do Bairro Bahia, em Rio Branco. “O cenário é de mudança”.

“Ainda temos muito a avançar”, reconhece o vice-governador do Acre, César Messias, na abertura do encontro. “Mas, é impossível não reconhecer os avanços concretizados durante um ano priorizando o setor”.
O secretário de Estado de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis, Edvaldo Magalhães, ressaltou as mudanças institucionais executadas após o Pacto de Rio Branco, selado há um ano. “Foi preciso um convencimento interno das instituições de governo, além da organização da produção e da comercialização”, afirmou. “Esse encontro é uma celebração de esperança”.

Uma reivindicação consensuada entre os marceneiros diz respeito à possibilidade de as portas e janelas usadas nas casas populares cons-truídas por programas ofi-ciais serem confeccionadas nas pequenas marcenarias.
“Nós tínhamos um cenário conflituoso”, lembrou o procurador de Justiça, Sammy Barbosa, representante do Ministério Público do Acre no evento. “Com essas medidas concretizadas, nós estamos construindo novas referências e novos modelos de atuação entre órgãos fiscalizadores, governo e setor produtivo”.

Cinco pontos de avanços foram destacados durante o II Encontro de Marceneiros: garantia de preço baixo ao insumo (R$ 400 o metro cúbico); licenciamento para operação de 4 anos (sem custo para o marceneiro) de 144 empreendimentos que antes operavam na ilegalidade; execução do programa de Compras Governamentais que priorizou as pequenas marcenarias; investimentos de R$ 45 milhões para implantação de 9 Parques Industriais em regiões estratégicas do Acre e perspectivas de qualificação com parce-rias firmadas na Itália.

Atualmente, 252 processos de licenciamento estão finalizados. Isso significa que falta apenas o carimbo do Instituto de Meio Ambiente do Acre para que o documento seja formalizado. A estimativa do governo é de que todas as pequenas marcenarias do Acre estejam com licenças expedidas até o fim de maio.

De março a novembro de 2013, dez jovens do Centro de Tecnologia da Madeira e do Mobiliário (Cetemm) vão participar de um intercâmbio na Escola Politécnica da Itália, o maior centro de design mundial. A informação foi reforçada pelo governador do Acre, Tião Viana, durante o II Encontro de Marceneiros.

Em função do horário, a Carta de Cruzeiro não foi lida, mas será entregue ao Gabinete de Governo e à bancada federal do Acre.

Hoje, o governador do Acre, Tião Viana, inaugura o Parque Industrial Florestal de Cruzeiro do Sul onde haverá 15 galpões destinados a empreendimentos do setor marceneiro. Na edição de amanhã do Acre Economia, uma reportagem mostra os detalhes a respeito do Programa de Apoio ao Setor Marceneiro e as mudanças concretizadas no último ano.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation