Milão coloca o Acre na vitrine do mundo

Salão-do-Móvel“Agradecemos a todas as empresas e instituições que se dispuseram a nos receber nessa Missão, essa iniciativa de grande relevância para o nosso Estado, sobretudo por colocá-lo na vitrine do mundo”, declarou Carlos Sasai, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), na abertura do Espaço Brazil S/A, na Feira Internacional do Salão do Móvel.

A missão empresarial até o Velho Continente, ocorrida de 16 a 23 de abril, teve por objetivo abrir as portas do Acre e sua Zona de Processamento de Exportação (ZPE) para prospecção de negócios com empresas europeias, além de trocar experiências em torno de processos de produção e tecnologias nas áreas de madeira; móveis; alimentação e confecção. “O Acre foi muito ousado em participar, tivemos uma presença marcante e forte. Saímos de lá, também, com boas perspectivas de abertura de mercado e parcerias”, contabiliza Sasai.

A ousadia foi tanta, que o Estado teve um dia inteiro dedicado a ele, chamado Acre Day, organizado pelo Governo do Estado com apoio do Sistema Fieac, com apresentação especial sobre suas origens, degustação da gastronomia local, além de seminários sobre Manejo Florestal Comunitário; Produtos e Serviços Sustentáveis da Floresta; Oportunidades de Negócio e Investimentos no Acre; e Apresentação do homem que mora na floresta por sua forma de morar.

Parceria Senai e Escola Politécnica
O Senai participou desde a organização do Espaço Brasil, além de exposição de peças e produtos especialmente desenhados pelo seu Centro de Tecnologia da Madeira e do Mobi-liário (Cetemm). O diretor regional, César Dotto, também contribuiu para o Acre Day como palestrante no seminário sobre o tema “Indústria acreana, situação atual e perspectivas”.

“Nós pudemos conhecer uma escola profissionalizante bem no estilo do Senai, a Enaip Lombardia, que oferece capacitação para jovens a partir dos 14 anos em cursos de operador de madeira e desenho de móveis, por exemplo. O que me impressionou muito nas visitas técnicas que fizemos a essas instituições e serrarias foram as elevadas capacidade técnica e tecnologias no processamento, além de pessoas extremamente experientes trabalhando, já em idade avançada mesmo”, relatou Dotto.

Juntamente com o IEL, a instituição, inclusive, já participa de um convênio com a Escola Politécnica de Design de Milão, a Poli.Design, denominado Programa Senai Para a Inovação Empresarial. A ideia é estruturar um percurso, com duração de 30 meses, de suporte ao crescimento dos Departamentos Regionais do Senai selecionados, dentre eles o Acre, com objetivo de capacitá-los como Centros de Excelência capazes de integrar as dimensões tecnológicas da inovação, gerencial e estratégica do design. Assim, o projeto será orientado e acompanhado durante toda a sua duração por especialistas da Poli.Design e desenvolvido juntamente às equipes locais presentes nos vários regionais do Senai.

Neste sentido, o Acre está inserido no módulo 2 do programa, cujo principal foco será a formação do Departamento selecionado para a experimentação de um processo de pré-consultoria potencializando a instituição e capacitando seus profissionais para propor e conduzir, junto às empresas, processos de inovação “design driven”, estruturando-se para oferecer serviços de alto valor agregado para as empresas atendidas.
“Temos muito o que aprender”

Composto por 20 empresários e cinco técnicos da Fieac, o grupo teve a oportunidade de conhecer quatro empresas do setor madeireiro – Tabu, Bellotti, Castiglioni e Beretta – bem como dos setores de alimentos e confecções da região de Como. Em entrevista à assessoria de imprensa oficial, que acompanhou o grupo a Milão, o presidente do Sindicado da Indústria de Móveis do Estado do Acre (Sindmóveis), Augusto Nepomucena, admirou-se com a capacidade técnica e redução de desperdício – de tempo e material – dos empreendimentos por onde passou. “Aqui na Itália eles têm equipamentos de última geração. O que levamos três dias para fazer, eles fazem em uma hora. São experiências como essas que precisávamos conhecer”, observou.

Vencedor de prêmios nacionais, como o Planeta Casa, pelas boas práticas no setor florestal, o empresário George Dobré analisa que a organização e a estrutura familiar das movelarias italianas se assemelham as do Acre.
Ao visitar panificadoras e empresas produtoras de massas, empresários do segmento de alimentação e panificação aproveitaram para importar novas técnicas de produção e conhecer novos ingredientes para agregar ainda mais valor a seus produtos.

Projeto de Desenvolvimento Territorial e ZPE
Além da participação na Feira e visitas a empresas locais, a Fieac cumpriu uma agenda do Programa de Apoio à Competitividade Local, por meio do “Projeto de Desenvolvimento Territorial CNI-BID”, que incluía uma visita ao Centro de Serviços Tecnológicos do Setor de Madeira e Móveis (Cosmob) da Região de Marche, na cidade de Pesaro. Ali, empresários e diretores da instituição foram apresentados ao Centro e às atividades em desenvolvimento no Brasil, laboratórios, ao curso de design com participação de alunos brasileiros, ao histórico do Cosmob nas parcerias institucionais entre Brasil e Itália – como o projeto piloto RST: Rede de Serviços Tecnológicos para a cadeia produtiva de madeira e móveis da Região Amazônica Brasileira. (Ascom Fieac)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation