Pular para o conteúdo

Acre recebe debates com representantes da ONU e do Pnud sobre a qualidade de vida aqui e no restante do Brasil

IMG 7604 Na manhã de ontem, segunda-feira, 9, aconteceu no auditório da Biblioteca Pública Estadual, um seminário sobre IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal), tendo como convidados especiais o Representante da ONU e do PNUD no Brasil Sr. Jorge Chediek e a Coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano Sra. Daniela Gomes. O evento foi uma iniciativa do Governo do Estado do Acre, dos gabinetes dos senadores Jorge Viana e Aníbal Diniz.

 Por mais de 2h, uma plateia numerosa e qualificada teve acesso a informações sobre a evolução do índice de desenvolvimento humano no Acre e no Brasil nas últimas duas décadas. Estiveram presentes prefeitos de municípios acreanos, secretários estaduais e municipais, deputados estaduais, técnicos da área de planejamento e assistência social, além de estudiosos da comunidade acadêmica, representantes de organizações da sociedade civil, diretores de escola, jovens lideranças, entre outros.

 O palestrante Jorge Chediek explicou qual a importância de medir o desenvolvimento humano nas cidades, na medida em que a disponibilização desses indicadores de qualidade de vida em uma plataforma única – chamada de Atlas do Desenvolvimento Humano 2013 – orienta a implementação de políticas públicas e melhora a qualidade da gestão.

 Chediek ainda destacou que o PIB é um medidor ineficaz, pois revela apenas a questão da geração de riquezas, sem se ater a fatores sociais vitais para a construção de uma sociedade mais justa. E foi assim, a partir da necessidade de desenvolver um mecanismo mais próximo da realidade como um todo, que surgiu o IDH, um medidor composto por três dimensões: longevidade, acesso à educação e renda.  

 Por sua vez, a Coordenadora do Relatório de Desenvolvimento Humano Daniela Gomes expôs vários dados sobre o IDHM no Brasil e no Acre, que também estão disponíveis online, inclusive com um comparativo das últimas duas décadas, através do www.atlasbrasil.org.br. Em sua apresentação, ela mostrou que, nos últimos 10 anos, o Acre teve uma evolução fantástica em todos os quesitos, crescendo acima da média nacional. Além do que, trouxe dados curiosos, como a revelação de que apenas 22 municípios da região Norte estão acima da média do IDHM nacional. E, entre esses poucos municípios, destaca-se Rio Branco, com ótimos indicadores econômicos e sociais, que refletiram em um IDHM considerado alto.  

 Depois das duas apresentações iniciais, aconteceram as contribuições dos senadores Jorge Viana e Aníbal Diniz, do prefeito Marcus Alexandre, do ex-prefeito e Assessor do Governo Raimundo Angelim, e do Coordenador do curso de medicina da UFAC Dr. Thor Dantas. Para coroar o ambiente de debates que permeou o evento, houve ainda a tradicional contribuição da plateia através de colocações, sugestões e perguntas para os debatedores.  

Marcus Alexandre propõe regionalização do ÍDH
 Por fim, ao ser convidado para encerrar o evento, o prefeito Marcus Alexandre bem sintetizou a importância do seminário: “esta oportunidade que estou tendo hoje, outros 5.565 prefeitos desse país gostariam de ter”.

 Para Marcus Alexandre, há diferenças entre Estados, entre municípios e, nestes, há diferenças entre os bairros. Não se pode estabelecer indicadores padrões quando se trata, por exemplo, de se comparar o bairro do Bosque com Vila de Santa Cecília – o primeiro, uma região dotado em quase 100% de infraestrutura e o segundo com carências ainda desafiadoras.

 Sobre os resultados que colocam Rio Branco como a capital de melhor desempenho no IDH-M, o prefeito foi objetivo: “A gente vê esses números com muita alegria mas também com muita responsabilidade”, disse ele.

 Nesse contexto, o Acre pode ser um estudo de caso para o PNUD, já que experimentou incremento de 60% no IDH na última década. (Assessoria Gabinete do Senador Jorge Viana e Ascom PMRB)