Pular para o conteúdo

A três meses do fim de 2013, número de acreanos no SPC já é maior que todo o ano de 2012

Segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), a três meses para o fim de 2013 o número de acreanos com nome no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) já é maior que todo o ano passado. A mais recente consulta apontou 35.793 acreanos que estão com o ‘nome sujo’, enquanto que em 2012, o volume era de 34.108.

De acordo com o presidente da Acisa, Jurilande Aragão, os dados representam o nível de endividamento das famílias acreanas. As dívidas que levam ao SPC no Acre variam entre R$ 1,8 mil a R$ 2,5 mil. E o cadastro tem em sua maioria mulheres entre 30 a 40 anos.

“Por outro lado, quase 60% dos casos de pagamento de dívidas, se devem ao fato do nome do devedor ter sido negativado. O SPC com isso protege o comércio da inadimplência. Uma das características dos devedores que estão no SPC é que a maioria das dívidas não são significativas”, confirma o presidente.

Existe a intenção de promover em Rio Branco um mutirão de quitação das dívidas, afirma Jurilande. “Seria uma parceria com as empresas para que elas possam conceder descontos e facilidades para pagamento das pendências. Essa prática já existe em estados como São Paulo e Amazonas e é sucesso garantido”, destaca.

As empresas de telefonia e as lojas de departamento e eletrodomésticos lideram o ranking de devedores que estão no SPC. “Vale ressaltar que em caso de não pagamento da dívida, após cinco anos o nome do devedor é retirado do SPC. Mas, isso não significa que a dívida está liquidada. Mas quem tiver com o nome sujo e quitar seus débitos em até 72 horas o nome estará fora do cadastro”, avisa Jurilande Aragão.

Por ter restrição, essas pessoas impedidas de obter financiamentos, realizar compras através de crediário, ter acesso a cheque especial e a cartão de crédito. A autônoma, Rosamaria Silva, confirma que ter o nome sujo é ruim. “Já tive vários problemas devido ao nome sujo. Não podemos fazer novas compras e perdi cartões de créditos. Mas meu objetivo é quitar minha dívida”, confessa.

Cadastro Positivo: O consumidor que tem as contas em dia pode barganhar melhores condições
O cadastro positivo de bons pagadores já começou a valer também no Acre. Através dele, o consumidor terá mais chances de negociar menores taxas e prazos mais longos quando for pedir empréstimo em uma instituição financeira ou fazer o financiamento de um bem.

Os interessados podem pedir sua inclusão no banco de dados que ficará disponível para consulta do mercado. Esse sistema é usado no mundo inteiro, confirma o presidente da Acisa.

“O resultado das vantagens desse sistema só poderá ser avaliado daqui a algum tempo. Mas, sem dúvidas, é uma iniciativa que beneficiará os consumidores. Em breve vamos fazer uma campanha no Acre para adesão do cadastro”, confirma Jurilande Aragão.

As empresas terão chance de emprestar com mais segurança. Na avaliação do SPC Brasil, outra consequência direta do cadastro positivo e da avaliação personalizada do modelo de concessão de crédito será a redução significativa dos índices de inadimplência e de superendividamento.