Pular para o conteúdo

Nova York e Cobija

Faz poucos meses o Brasil foi sacudido por uma monumental e surpreendente onda de protestos. Embora a lembrança concentre na crítica política e na saudável cobrança por mais ética na vida nacional, não se deve esquecer que toda aquela mobilização começou por conta de um pequeno protesto reprimido de forma destrambelhada pelo Governo do Estado de São Paulo. E de que tratava tal protesto? Transportes urbanos!

Incluída no conceito mais amplo e moderno de mobilidade urbana, a questão do transporte se tornou fundamental para a qualidade de vida. Isso está valendo para metrópoles como São Paulo, mas também para cidades de porte médio como a nossa querida Rio Branco.

As grandes metrópoles já não se sustentam pela força da própria riqueza. As pessoas querem algo mais. Prova eloquente dessa verdade inquietante é que a a população de Nova York acaba de eleger prefeito o democrata Bill de Blasio, mesmo aprovando majoritariamente o trabalho dos republicanos na prefeitura. Todos concordam que a defesa de uma cidade mais humana e solidária fez a diferença e a vitória do democrata.

Pesquisas qualitativas mostraram os eleitores da Big Apple cansados de um dia a dia consumido no turbilhão da metrópole insensível, onde cada um cuida de si. Pediam uma cidade mais acolhedora. E como exemplo da qualidade de vida que desejam, abastados nova-iorquinos citaram o exemplo dos brasileiros, “que vivem melhor a vida” e “curtem um churrasco com cerveja entre amigos”.

É muito interessante ver americanos valorizando nossos singelos prazeres. Não que uma cervejinha de fim-de-tarde resolva todos os nossos problemas, mas o fato é que a sociedade do consumo está cansada e pede a recuperação de valores mais solidá-rios e menos materiais.

Qualidade de vida nas cidades exige investimentos em mobilidade, nas comunidades, no social. E também medidas para facilitar a convivência das pessoas – como o horário do Acre mais integrado ao Brasil e mais ensolarado que alguns políticos acabam de solapar. E não falem em elitismo, porque se Nova York sabe disso, Cobija também sabe.

Gilberto Braga de Mello
é jornalista e publicitário.
E-mail: [email protected]