Pular para o conteúdo

Funcionários da Suframa no Acre paralisam atividades por 2 dias

sedesuframa 
Os servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus no Acre (Suframa) aderiram à uma paralisação nesta quinta-feira (21) e sexta-feira (22). Dentre as reivindicações, estão  melhorias nas condições de trabalho e reajuste salarial.

 Segundo Renato Santos, representante do Sindicato dos Funcionários da Suframa (Sindframa) no estado, a paralisação não ocorre apenas no Acre, mas também nos estados na Amazônia Ocidental: Amazonas (AM), Rondônia (RO), Roraima (RR). Além das cidades de Macapá e Santana, no Amapá (AP).

 O sindicalista diz que a interrupção dos serviços representa um alerta para que o Governo Federal abra um canal de diálogo com os funcionários do órgão. As negociações são realizadas na sede da autarquia, em Manaus (AM). “A principal reivindicação é a reestruturação dos cargos e carreiras da Suframa e o reajuste salarial. Nossa classe está insatisfeita com a postura que o governo tem adotado com relação às negociações”, aponta Santos.

 Os servidores reivindicam também, a melhoria da estrutura física do prédio da Suframa no Acre que, segundo eles, não oferece condições necessárias para atender às pessoas, principalmente no período de chuvas.

 Santos fala ainda, que se a categoria não for atendida, haverá grande possibilidade de ser deflagrada uma greve. “Caso o governo não dialogue de forma efetiva, possivelmente, haverá uma greve sim, talvez em dezembro ou janeiro de 2014. Isso vai ser definido em assembleia e haverá uma greve histórica na Suframa”.

 Para o caminhoneiro Webas Andrade, que esperava a autorização da Suframa para descarregar sua mercadoria, a paralisação causa muitos prejuízos. “A paralisação não foi anunciada em rede nacional, a gente chega aqui e está tudo parado. Segunda-feira (25) vai fazer cinco dias e o custo para nós que vamos ficar parados? Estou vindo de Brasília (DF) trazendo um carregamento de bebidas e é complicado”, diz.

 O coordenador da Suframa no Acre, João de Deus, informou ao G1 que o órgão ainda não tem nenhum posionamento definido. “Entrei em contato com o superintendente da Suframa no Amazonas e ele informou que houve uma reunião na manhã desta terça-feira [21] com o secretário do Ministério do Desenvolvimento e agora à tarde é que vai ser passado o que foi decidido. A orientação sobre isso é que a gente não fale sobre o assunto, somente após a decisão”, explica.