Pular para o conteúdo

Petrobras arremata área na Bacia do Acre em rodada de Licitação da ANP

BRUNA LOPES,
Enviada ao Rio de Janeiro

Apenas um bloco acreano, dos nove oferecidos na 12ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), foi arrematado pela Petrobras, com 100% de participação e interesse por um bônus de assinatura de R$ 295 mil. O investimento mínimo previsto na fase de exploração deverá ser de mais de R$ 12 milhões no Estado. A área arrematada possui 1,6 mil quilômetros quadrados e fica localizada na divisa do Acre com o Amazonas.

A assinatura dos contratos está prevista para o 1º semestre de 2014. A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ANP, Magda Chambriard, fez questão de durante a abertura ressaltar o empenho e presença efetiva nos estudos em busca de gás e petróleo do governador do Acre.

Tião Viana foi o único governador a está presente na abertura do leilão que envolve 12 estados são eles: Amazonas, Acre, Tocantins, Alagoas, Sergipe, Piauí, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Maranhão, Paraná e São Paulo.

O governador do Acre trabalha pela viabilidade da exploração de petróleo no Acre desde quando foi senador, exemplo disso, foi que em 1999 destinou R$ 5 milhões em emendas para o Plano Plurianual para iniciar os investimentos em pesquisa na área. Hoje os investimentos já passaram de R$ 100 milhões – empregados no levantamento aerogravimétrico, geoquímico, sísmico, incluindo sísmica 3D.

Existe a expectativa dos blocos acreanos restantes entrar em outros leilões. “Acreditamos que nos próximos leilões nós tenhamos um número maior de lotes arrematados”, destaca Aníbal.

O senador acreano Aníbal Diniz destaca que apesar de apenas um lote ter sido arrematado, o leilão foi muito positivo. “É o primeiro passo de um processo que por natureza é de longa duração. Vamos ficar na expectativa da certificação de que a bacia sedimentar do Acre seja economicamente viável para petróleo e gás. E se a diretora da ANP ficou otimista, ela que acompanhou os estudos, eu também, assim como o governador Tião Viana”.

Aníbal ressalta que nos próximos cinco anos, período que a Petrobras tem para provar a viabilidade do bloco, a economia local poderá se surpreender positivamente. “Estamos falando de geração de emprego, já existe a intenção da criação de uma faculdade de engenharia de petróleo e gás para formação e capacitação e qualificação da mão de obra, dando prioridade aos acreanos”.