Pular para o conteúdo

“Temos que ter uma atitude de rechaçamento daquelas pessoas que querem passar por cima de todas as instâncias”, afirma Aníbal Diniz

anibalMM 
O senador Aníbal Diniz (PT/AC) quebrou o silêncio e comentou as notícias veiculadas no início da semana dando conta de que ele não seria o candidato ao Senado pela Frente Popular do Acre (FPA). Ele classificou as informações como uma ‘afronta’ ao seu mandato e ao PT.

“Na realidade o PT é um colegiado. Nós temos uma Resolução do partido que apóia à reeleição da presidenta Dilma e do governador Tião Viana e a reeleição do senador Aníbal Diniz. Isso é uma afronta a minha pessoa, esse cidadão que passou a informação à imprensa”, frisou o senador petista.

 O senador reafirmou, ainda, que é o candidato ao Senado pelo Partido dos Trabalhadores e que não ver problemas se a FPA decidir por dois senadores. Ele esclareceu que a candidatura de Perpétua Almeida (PC do B/AC) é legítima.

“Ela tem todo o direito de ser candidata. Não vejo problemas quanto a isso. Lançar só o meu nome ou o dela, isso poderá causar descontentamento dentro das nossas militâncias. Entendo que tanto o PT quanto o PC do B eles podem fazer uma campanha bonita, com harmonia”.

 Aníbal Diniz ressaltou que se reunirá com o presidente regional do Partido dos Trabalhadores, Ermício Sena, para que seja convocada uma plenária para que o filiado que tenha repassado a informação, segundo ele, equivocada, sem respeitar as instâncias superiores seja disciplinado pelo partido.

“Temos que ter uma atitude de rechaçamento daquelas pessoas que querem passar por cima de todas as instâncias. Uma pessoa por vaidade, por prepotência tenta intimidar. Isso foi algo muito constrangedor para o Partido dos Trabalhadores. Fica aqui o meu repúdio para que faça o enquadramento. Essa pessoa só atrapalhou o processo que vinha sendo discutido” , pontuou o senador que evitou falar nomes de quem poderia ter repassado a informação.

 Em breve avaliação, o senador destacou que seu mandato tem sido desenvolvido com base nos projetos da Frente Popular. Ele pontuou que sempre foi um militante fiel a sigla e por isso tem o dever de esclarecer a sociedade seu pensamento sobre o assunto.

“Tenho feito um mandato plenamente de acordo com o nosso projeto. A pessoa que fez isso faltou com o respeito, com toda a nossa história de vida como militante, de um senador que sempre defendeu o PT”.