Pular para o conteúdo

“Não adianta alguém dizer que está decidido. Não está”, diz Jorge Viana quanto à vaga de Senado

O vice-presidente do Senado Federal, Jorge Viana (PT/AC), comentou os últimos acontecimentos vividos pela Frente Popular do Acre. De acordo com senador acreano, o assessor especial do governo, Francisco Nepomuceno, Carioca, foi infeliz ao adiantar a formação de uma possível chapa majoritária. Ele disse, também, que o senador Aníbal Diniz (PT/AC) e o presidente do PT, Ermício Sena, foram desrespeitados.

“O Aníbal se sentiu ferido, desrespeitado. Nós fomos solidários com ele, eu, o Tião. O Aníbal hoje é um grande senador. Ele Aníbal tem todo direito de desabafar. De fato, o Carioca passou do ponto. Errou e errou feio. Não é um tema para apenas uma pessoa conduzir. O PT não pode ficar na mão do desejo de um ou de outro”, disse o senador em entrevista a TV Gazeta na noite de ontem, 2.

Ainda sobre Nepomuceno, o Carioca, Jorge Viana disse que o clima no PT foi normalizado. Ele acrescentou que o assessor especial reconheceu seu erro e que nada está definido quanto à vaga de senador e vice-governador.

“O Carioca reconheceu que fez uma bobagem. O Aníbal é uma pessoa importante. A nossa força está nos nossos militantes, mas o importante é quando há erros como esses, eles são corrigidos”, e acrescentou. “Não adianta alguém dizer que está decidido, não está decidido. Tive uma conversa com o Tião e acredito que em janeiro e fevereiro teremos um diálogo, com as pessoas do interior, mas não tem nada de chapa definida”.

O senador defendeu um consenso entre o PCdoB e o PT quanto a vaga de senador da República. Ele definiu o momento como delicado, pois os dois nomes postos estão preparados para ocupar o cargo, ou seja, da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB/AC) e do senador Aníbal Diniz (PT/AC).

“Não podemos tomar uma medida que deixe contrariado a militância do PT ou do PCdoB. Temos que encarar esse momento como um desafio, como um momento difícil. A Perpétua tem todo o direito de ser candidata. Quanto a está bem ou não nas pesquisas, acredito que pesquisa mostra aquele momento. As pesquisas também mostravam o Marcus Alexandre em 0%. Não era conhecido, a população não sabia nem o nome. São coisas distintas, momentos distintos”.

Jorge Viana (PT/AC) pediu mais empenho dos secretários de Tião Viana. Ele afirmou que o governador tem se empenhado em sua administração e ressaltou que o secretariado de Tião Viana utilize todo gás no último ano de mandato, que ele classificou como o melhor de uma gestão. O senador, também, pontuou que 2013 foi um ano ‘difícil’ para Tião Viana, mas que todas as dificuldades foram superadas.

“2013 foi um ano duro, sofremos verdadeiras sabotagens em alguns momentos. O ano de 2013 foi difícil, mas foi superado. Conseguimos os investimentos. Acredito que em 2014 o Tião tem o desafio de concluir alguns trabalhos na Educação, os trabalhos da BR-364. Estamos fazendo um verdadeiro milagre nunca utilizamos as áreas degradas como agora, que era uma deficiência do nosso projeto, e o Tião está corrigindo agora”.

Quanto a secretários serem candidatos a uma vaga na Aleac, em 2014, o senador disse que o Acre vive um novo momento e a Frente Popular também, mas que a prática de apoiar secretários a algum cargo no Legislativo nunca foi adotado no seu governo.

“Sou um critico de mim mesmo e do Governo Federal. Não podemos pensar que está tudo muito bem, que já ganhamos. Temos que ter humildade. Eu nunca defendi essa tese, mas acho que faz parte, é um novo momento. Esses deputados, não só do PT, mas da base precisa ter um agradecimento nosso. Eles puseram o mandato à disposição do nosso projeto coletivo. Acredito que o Tião vai saber lidar com isso. Não serão os candidatos do governo. Isso não pode acontecer em um trabalho coletivo como é na FPA”.

O senador petista também fez uma avaliação dos trabalhos no Congresso Nacional e também relatou sobre a PEC dos Soldados da Borracha. Sobre esse assunto, ele explicou que não pode ser votado de qualquer maneira e que o Congresso Nacional tem um rito que deve ser obedecido.

Finalizando a entrevista, Jorge Viana falou de sua ida ao Vaticano, em dezembro. Disse que o Papa Francisco é um exemplo para o mundo e para a classe política de humildade e fé. Disse, ainda, que o líder religioso tem se destacado por sua postura, pois esse tem confrontado com os interesses do mundo capitalista e de outros povos. A visita foi realizada na companhia do arcebispo de Porto Velho, Dom Moacyr.