Banco da Amazônia quer aumentar fomento ao crédito em 21,8% e oferece R$ 380 milhões

bancodamazaonia govO presidente do Banco da Amazônia, Valmir Rossi, anunciou que vai aumentar o fomento ao crédito no Acre este ano. Em 2013, foram disponibilizados R$ 312 milhões. Em 2014, a instituição propõe R$ 380 milhões. O aumento é de 21,8%.

A informação foi transmitida em audiência entre o presidente Rossi e o governador do Acre, Tião Viana, durante audiência realizada ontem pela manhã, no gabinete de governo, para apresentação do “Plano de Aplicação de Recursos Financeiros para 2014”.

O Plano de Aplicação foi o documento que gerou um protocolo de intenções assinado entre o presidente da instituição e o governador do Estado. A partir dessa formalidade, ficam combinadas os segmentos e setores da economia prioritários para o crescimento econômico da região.

“Nós estamos com um orçamento de mais de quatrocentos e trinta milhões, sendo que trezentos e oitenta são para fomento”, anunciou o presidente. Os recursos para “fomento” compõe um dos dinheiros mais baratos do mercado regional.

Os prazos podem chegar até 20 anos para o empreendedor quitar a dívida com taxa de juros que variam de 3% a 5%, sem indexador. Aliado à estabilidade monetária, esse cenário oferece maior segurança a quem toma dinheiro emprestado porque o empreendedor planeja o endividamento.

Em uma solenidade realizada na filmoteca da Biblioteca Pública, a direção do Banco da Amazônia assinou contratos com dois empreendedores do setor de piscicultura, um pecuarista, uma empresa do ramo da suinocultura, um agricultor familiar pelo programa Mais Alimento e com uma representante de uma colônia de pescadores.

“O Banco da Amazônia no Acre disponibiliza mais de duzentos milhões de reais para o pequeno produtor”, contabilizou o vice-governador, César Messias. “Outro dia, em um encontro com vários produtores de Porto Acre, eu perguntei quantos daqui tem crédito pelo Banco da Amazônia e, para a minha surpresa, a maioria levantou a mão”.

A Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar assinou um convênio para execução do programa de assistência técnica e extensão rural. Por esse convênio, a Seaprof passa a ter acesso a 1,5% do valor dos projetos financiados pelo Banco da Amazônia junto ao produtor familiar.

Na edição de domingo do Acre Economia, o leitor vai ter acesso a mais detalhes dessa ação do Banco da Amazônia, incluindo uma entrevista com o presidente Valmir Rossi.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation