Governo entrega equipamentos e regulariza terras em Porto Walter

unnamed
(Foto: Secom)

Considerado um dos municípios mais isolados do Acre, com acesso apenas por meio de avião ou barco, o município de Porto Walter parou na tarde desta quinta-feira, 20, para receber o governador Tião Viana e sua equipe de governo. A visita tão especial foi para simbolizar a entrega de 21 kits de casa de farinha para a comunidade indígena Arara e 238 títulos de concessão de uso de terra a moradores do projeto de assentamento extrativista Cruzeiro do Vale.

Poucos governadores pisaram com tanta frequência no município como o próprio Tião Viana, que já contabiliza 15 idas a Porto Walter durante sua gestão. “A minha alegria é de estar vendo essas entregas concretizadas, tanto de equipamentos como de títulos. Eu sempre venho para cá com esse espírito de trabalho. Vamos construir mais tanques de peixe e trazer oito novos barcos para atender as demandas de escoamento. Porto Walter vai viver um novo momento”, ressaltou o governador perante a população reunida no Mercado Central.

Os 27 kits de casa de farinha são compostos por motores de geração de energia, moedores de mandioca, carrinhos de mão e folhas de aço para forrar os fornos. O secretário de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Lourival Marques, ressaltou o compromisso do governo não só em estimular a produção, mas fazer com que ela gere renda: “Estamos estimulando essa população indígena a apostar em algo que acreditamos que dá certo. E ainda garantimos a compra através de programas como o PAA [Programa de Aquisição de Alimentos].

Representando os povos indígenas, o assessor especial Zezinho Kaxinawa demonstrou a gratidão do povo Arara pelos investimentos. “O governo nos dá uma atenção muito grande, a todos os povos indígenas. Principalmente essa preocupação em dar uma garantia alimentar para nós índios em nossas comunidades”, explica Zezinho.

Ainda no mesmo encontro, o superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Acre, Idésio Franke, aproveitou para entregar 238 títulos de concessão de uso de terra aos moradores da comunidade Cruzeiro do Vale, um lugar simples, mas que começa a receber melhores oportunidades através de políticas públicas. “Nós caminhamos junto com o governo e queremos apenas o melhor para o povo do nosso Acre. O título em mãos é a certidão de nascimento da sua casa, é dizer que aquela terra realmente é sua”, reforça Idésio.

Moradores da reserva Cruzeiro do Vale, a mãe Osmilda da Silva e o filho Evandro da Silva não imaginavam que iriam receber o título direto das mãos do governador Tião Viana, cada um de sua propriedade. Para ela, com 58 anos, “esse é um momento especial demais. Tô emocionada. Lá na reserva não tem muita coisa, a gente tem dificuldade, mas as oportunidades tão chegando”. Já o filho, aos 29 anos é um maior entusiasta: “Com esse título em mãos agora dá pra conseguir um financiamento, participar dos programas. Eu tô com uma nova expectativa aqui”. (Da Secom)

Comunidades do Rio Muru recebem ações de saúde e cidadania
Acesso às políticas públicas, promoção da qualidade de vida e dignidade fazem parte da proposta dos atendimentos itinerantes promovidos pelo Governo do Estado e prefeituras. Dessa vez, moradores de comunidades ribeirinhas e zona rural de Tarauacá estão sendo contempladas com serviços múltiplos de saúde e cidadania. As ações se estendem até o próximo dia 26, seguindo o cronograma das localidades que serão visitadas ao longo do Rio Muru.

A parada da equipe no último fim de semana foi na Comunidade Paraíso, para atender os moradores do local e adjacências. Em dois dias foram realizados quase mil atendimentos, entre consultas médicas, distribuição de medicamentos, vacinação e outros. Uma inovação na área de odontologia é a restauração e entrega de próteses dentárias aos pacientes, que até então só dispunham do serviço de extração.

As dificuldades que nem todos veem
O Saúde na Comunidade é um programa da prefeitura de Tarauacá e recebe o apoio do governo com o objetivo de chegar aos locais de difícil acesso. Um trabalho baseado em dedicação e empatia, capacidade de olhar para a necessidade do outro sem se importar com os percalços que possam surgir pelo caminho. As dificuldades são aceitas pelos profissionais que escolheram fazer o bem a quem precisa e começam na decisão de ausentar-se do seio da família.

Até chegar à Comunidade Paraíso, a equipe seguiu pelo Rio Muru por mais de sete horas. Sem hora certa para dormir ou se alimentar e apenas com a certeza de retornar para casa depois de dez dias de atendimentos, os profissionais da saúde não veem motivos para abandonar o barco. “Nós vemos o quanto a população precisa e não há como ser indiferente a isso. Se a gente não vem, eles não recebem a atenção que merecem”, afirma o clínico-geral e endoscopista Neuber Mageste Fouly.

A escolha da equipe é minuciosa. Segundo o médico e prefeito de Tarauacá, Rodrigo Damasceno, o maior desafio é definir a equipe. “Afinal, é um trabalho que exige colocar amor no que se faz”. Sempre presente nas ações, de olhar sensível e ouvido atento às necessidades da comunidade, ele diz: “É uma terapia para mim”.

De acordo com a necessidade, as missões aumentam. Além da comunidade Paraíso, os médicos percorreram mais duas horas de voadeira pelo Rio Humaitá para atender os moradores da Terra Indígena da região. Os atendimentos foram feitos na aldeia Vigilante e destinados aos quase 600 moradores das cinco aldeias de etnia Kaxinawa.

“É um novo tempo, e nós agradecemos por esse serviço ter chegado até aqui pela primeira vez. Nosso desejo é que essa parceria possa ter continuidade”, frisou o cacique da aldeia, Valdeci da Silva Kaxinawa. (Secom)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation