Santiago diz que é um soldado da Frente Popular e não descarta suplência

elsonsoldado 
Batido o martelo quanto à formação da chapa majoritária da Frente Popular do Acre, agora os debates se voltam para a discussão de quem será o 1º suplente da deputada federal, Perpétua Almeida, na vaga de Senado deste ano. O presidente da Assembleia Legislativa do Acre, deputado Élson Santiago, também está na disputa.
O nome de Santiago foi sugerido pelo o líder do seu partido na Casa, deputado Astério Moreira. Entretanto, Santiago avalia a possibilitar de não aceitar a proposta, pois também ver a possibilidade de continuar na política, ou seja, a disputar a reeleição. Após semanas ter confirmado que não seria mais candidato, o deputado diz que em conversa com familiares a tendência é que ele concorra as eleições deste ano.

 Santiago diz que está no seu melhor momento. Tido como um parlamentar tímido e com pouco uso de tribuna, este mandato tem sido diferente mesmo ocupando a presidência, o parlamentar sempre tem participado dos debates acalorados e até polêmicos trazidos pelos deputados de oposição. Ainda de acordo com ele, alguns arranjos precisam ser feitos para se consolidar se aceita ou não a proposta de 1º suplência.

“Nós entramos na briga e como falei antes, eu sou aquele soldado da Frente Popular. A gente poderá sair à reeleição ainda, como também poderá sair a 1º suplente. Depende desses acertos e nós temos muito tempo para isso, mas é um prazer ser escolhido”.

 O PSDC também requer a vaga, o nome do jornalista e humorista Antonio Klemer foi também colocado à disposição. Outro que também teve o nome apresentado foi o colega de partido de Santiago, o deputado Lira Morais (PEN), que deve não disputar mais uma das 24 cadeiras disponíveis na Aleac.

 Quanto à vaga de Senado definida ontem pela Frente Popular do Acre, o deputado Élson Santiago disse que é nobre a atitude do senador Aníbal Diniz em pensar a longevidade um projeto. Acrescentou que Aníbal é um senador preparado, mas que Perpétua também irá representar bem a coligação.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation