Pular para o conteúdo

De repente, Dilma

Dilma veio de surpresa. Por volta das seis horas da manhã chuvosa do último sábado, autoridades acreanas foram comuni-cadas que a presi-denta da República, sentida pela calamidade das enchentes dos rios Madeira e Acre, estava de saída para Rondônia e para o Acre.

Menos de seis horas depois do aviso, Dilma chegava em Rio Branco.

Uma visita presidencial é sempre precedida de muitos preparativos. Se discute agenda, pauta de trabalho, nivelamento de informações, divulgação, segurança. Nada disso foi possível para a visita ao Acre, decidida e realizada de imediato – como só acontece em situações de emergência.

Na verdade, estados e municípios costumam se preparar para receber uma visita presidencial. Em se preparando, mostram o que é bom. Já nas visitas de emergências, é lógico mostrar a calamidade. No entanto, o Acre recebeu a presidenta Dilma Rousseff numa situação de emergência e fez diferente, mostrando o que tem de melhor: responsabilidade para cuidar de quem mais precisa!

Ainda no aeroporto a presidenta teve uma reunião de trabalho com autoridades e empresários locais. Ali, o governador Tião Viana destacou que o programa habitacional do Estado, parceria com o Governo Federal, prioriza a oferta de casa para famílias pobres que precisam deixar de viver nas áreas que o Rio Acre alaga sempre.

Depois de sobrevoar a cidade, Dilma foi ao Parque de Exposição visitar o abrigo que acolhe milhares de homens, mulheres e crianças. Conduzida pelo prefeito Marcus Alexandre, viu o drama de famílias desabrigadas, mas também viu respeito, competência e dignidade na forma como o poder público, aqui, trata seus cidadãos nas horas mais difíceis.

O Acre trabalha o desafio de conviver com alagações cada vez mais frequentes, sem calamidade nem sofrimento para a população mais pobre. A presidenta percebeu isso e, embora pouco comentada na imprensa, essa constatação faz toda a diferença, pois o Brasil paga alto pelo descaso de estados e municípios que esperam passivamente a repetição de suas tragédias naturais.

Surpreendido pela visita da presidenta, o Acre se mostrou como é e despertou o desejo de retorno breve de uma surpreendida Dilma.

* Gilberto Braga de Mello é jornalista e publicitário.
E-mail: [email protected]