Pular para o conteúdo

Polícia Federal para por 72 horas no Acre

 A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) promove hoje, 12, em Brasília, a “Marcha dos Elefantes Brancos”. Desde ontem, os agentes, escrivães e papiloscopistas federais estam com as atividades paralisadas. Os servidores se concentraram no Centro de Rio Branco e protestaram contra a ‘Burocracia e a Politicagem na Segurança Pública’.

O movimento nacional intitulado Marcha dos Elefantes Brancos, liderado pela Fenapef, defende uma segurança pública eficiente, “padrão Fifa” e deve durar até sexta-feira (14). O elefante branco significa a ineficiência na resolução de casos investigados pela categoria. De acordo com os servidores, devido à falta de estrutura para fazer investigações,  atualmente existe 96% de ineficiência na solução de casos.

 Durante a paralisação, serviços como investigações e emissão de passaportes ficam suspensos, funcionado somente o plantão, responsável pelos casos de flagrantes.

“Em todos os aeroportos e unidades de fronteiras brasileiras, sem exceção, não existe na quantidade suficiente de agentes federais para cuidar do policiamento aeroportuário, de fronteiras e combate ao crime organizado. Em alguns aeroportos não tem nenhum. E infelizmente mais de 250 policiais federais abandonam a profissão todos os anos, pois a carreira tem sido duramente sucateada pelo governo”, comenta o presidente da Fenapef, Jones Borges Leal.

 A categoria reivindica a estruturação de cargos, atribuições e salários, reposição inflacionária, estamos pedindo também a indenização de fronteiras e o reconhecimento do nível superior. Caso o governo não se posicione com alguma contraproposta as paralisações podem continuar durante o ano inteiro.